Senhora em francês

"A unanimidade é burra". Texto de João Pereira Coutinho para Folha de São Paulo. Apesar de meio isentão, levem em conta que é de 2009

2020.05.13 18:16 dspinola14 "A unanimidade é burra". Texto de João Pereira Coutinho para Folha de São Paulo. Apesar de meio isentão, levem em conta que é de 2009

SEMPRE tive horror a multidões. Não falo de multidões anônimas em cidades anônimas. Dessas gosto. De me perder nelas e com elas. Falo das outras: multidões politicamente organizadas, que suspendem o raciocínio para seguirem um líder e uma causa. Nelson Rodrigues dizia, com simplicidade avassaladora, que toda unanimidade é burra. Confirmo. A culpa é minha. A culpa é do meio onde cresci. O meu pai era um liberal clássico. Liberal, não: libertário. Se a liberdade é o valor supremo da existência humana, qualquer limitação à liberdade seria objetivamente um dano. Drogas, prostituição, eutanásia o Estado que se afastasse. Só quan do existe invasão da liberdade alheia deve o poder político intervir. Caso contrário, o indivíduo é soberano. Não para a minha mãe, que sempre gostou de se apresentar, e de se olhar, como uma humanista de esquerda. Uma sociedade civilizada é uma sociedade capaz de cuidar dos mais pobres. O que implica a existência de um Estado sólido e generoso, capaz de distribuir a renda e garantir serviços básicos de decência. E eu? Eu cresci entre os dois, escutando ambos e discordando de ambos. Sim, a liberdade é um dos valores funda mentais. Não é o valor fundamental, perante o qual todos os outros se vergam. Valores como a igualdade, a justiça ou a segurança podem ter prioridade, e muitas vezes têm, para garantir a sobrevivência de uma comunidade política. O mesmo para a senhora minha mãe: uma sociedade deve cuidar dos mais fracos; mas não deve permitir que o poder político cresça de forma intolerável e potencialmente perigosa. O poder corrompe. O poder absoluto corrompe absolutamente. Lord Acton “dixit”. Foi assim que me tornei um conservador pluralista e cético, avesso aos extremos e aos extremistas. E assim continuo: olho em volta e constato, sem surpresa, que os meus amigos se espalham generosamente pela esquerda e pela direita. Discordo muito deles. Mas, por causa deles, dou por mim a discordar várias vezes de mim próprio. Eles não existem para confirmar as minhas certezas. Eles existem para as testar. Malditos sejam. Abençoados sejam. Agradeço-lhes publicamente. E agradeço também à revista spectator, que publicou artigo do cientista político Cass Sunstein que só reforça a minha gratidão. Sunstein publicou livro recente, intitulado Going to extremes: how like minds unite and divide (“Ir aos extremos: como mentes semelhantes unem e dividem”). A tese é luminosa: pessoas que pertencem a grupos que pensam uniformemente da mesma forma tendem a radicalizar as suas posições. Existem testes empíricos citados por Sunstein: na França, um grupo de cidadãos franceses foi dividido em grupos menores para trocarem opiniões sobre o presidente francês e o papel dos Estados Unidos no mundo. Ponto de partida: todos os cidadãos, antes da experiência, tinham visão simpática do presidente e visão negativa dos Estados Unidos. Ponto de chegada: depois da experiência, os que gostavam do presidente francês passaram a gostar ainda mais. Os que não gostavam dos Estados Unidos passaram a gostar ainda menos. O segredo, conta Sunstein, está na própria dinâmica da troca de informação: quando os outros reforçam as nossas verdades, eles não se limitam a justificar epistemologicamente o que pensamos. Eles conferem uma sensação de maior segurança ao que pensamos, radicalizando as nossas atitudes. E basta que exista entre o grupo uma autoridade incontestada e incontestável para que o pensamento uniforme se transforme em ação uniforme. É a receita para o desastre. A história do extremismo, para Sunstein, é também a história de como certos grupos foram se afastando progressivamente do pluralismo real das sociedades humanas. O Tratado de Versalhes, a falência de Weimar ou a Grande Depressão podem explicar Hitler e a ascensão do partido nazista. Não explicam tudo: é preciso entender os nazistas como um grupo homogêneo, impermeável à crítica externa. Uma realidade fechada onde os diferentes membros se reforçam mutuamente numa espécie de endogamia intelectual e ideológica. Nós, os puros, contra os inimigos impuros: eis a mentalidade típica do extremista. De ontem e de hoje.
Não se iludam. Um esquerdista faz sempre falta numa reunião de reacionários. Um direitista faz sempre falta numa passeata de Porto Alegre. Porque as sociedades livres, no essencial, não se distinguem dos casamentos felizes. E não há casamento que resista quando trocamos vozes distintas por monólogos entediantes.
submitted by dspinola14 to brasil [link] [comments]


2020.05.01 02:04 tlpav A professora dos croissants

turmafeira

Olá luba,editores,papeloes,tudo. Hoje vou contar a história da minha professora de francês,que ficou maluca depois de uma discussão(sou de portugal por isso se n entenderes alguma coisa já sabes,faz o sotaque tuga,a história n é falsa,eu juro pelos meus tomates) Ent vamos para a história. Esta história começou durante o início das aulas em casa,umas dad primeiras q tivemos,então a minha professora de francês n sabia mexer muito bem no zoom(app que utilizamos para fazer as aulas) Por isso ela atrasou-se 10 FUCKING MINUTOS PARA A AULA(ela é daquelas professoras filhas da puta q quando chegamos 1 minuto atrasado ela marca falta) Ent dps de chegar 10 MINUTOS ATRASADA,a aula continuou normalmente.....ATEEEEEEEEE à hora que tínhamos de sair para o "intervalo" de 20 mins,a senhora professora decidiu que nos queira prender ali por 10 mins porque chegou 10 MINUTOA ATRASADA. A turma toda começou a gritar a falar com ela,mas eu que n tenho muita paciência com ela (por coisas do passado) eu gritei:STORA O NOSSO INTERVALO É DE 20 MINUTOS. E um amigo meu disse:QUERO INTERVALO. Depois desta troca de palavras amorosas a professora responde:CHEGA MENINOS,vocês não tiveram respeito por mim,agora vou ser rude com vocês,e desligou a chamada. *no grupo de turma Raparigas:vocês fizeram porcaria Rapazes:VÃO SE FUDER SUAS PUTAS DO CARALHO NÓS N FIZEMOS NADA SÓ DISSEMOS A VERDADE MAIS NADA,SE FALAMOS MAL N QUEREMOS SABER A PROFESSORA É UMA PUTA. (A aula foi na segunda feira) Sexta feira timhamos aula com a nossa diretora de turma que é fixe,mas quando somos mal educados.........FOGE. As conversas foram mais ou menos assim Turma:bom di....... Professora:O QUE VOCÊS FIZERAM (Dissemos o que fizemos e a stora ficou do nosso lado). *Passado 2 semanas A nossa professora já tinha recuperado da "depressão" dos alunos que lhe "trataram mal"? CLARO QUE NÃO. Ent a professora deixou de dar aulas no zoom(pra sempre) só ia mandar trabalhos e matéria. Dps nós iamos fazer um quiz que ia valer como teste,no dia 1 DE MAIO. Eis que hoje(30 de abril) estávamos numa aula de português(16:40) e a melhor professora do mundo(francês) manda um email a dizer q tinhamos até às 18:00 para fazer o quiz DE HOJE. No grupo da turma: Todos:PUTA DA PROFESSORA VACA DE MERDS SUA VAGABUNDA SALAFRARIA DE MERDA. Ent a turma começou a endoidecer e a mandar emails à professora (que ignorou) Dps de a turma toda endoidecer e fazer o quiz à pressa. A professora manda um mail às 18:10 a dizer q o quiz n contava para a avaliação. Eu tava tão irritado que disse no grupo que queria matar a professora(com raiva e a gozar) e um colega meu acreditou e mandou me msg a dizer q sabia a morada da professora,eu recusei(com pena). Dps às 19:00,a professora voltou a colocar o quiz sem dizer a ninguém (depois de toda a gente reclamar ela tirou o quiz) até agora n aconteceu mais nada(até agora) se acontecer mais eu digo Ent foi isso luba <31
submitted by tlpav to u/tlpav [link] [comments]


2020.04.24 18:19 HairlessButtcrack Cronologia do Covid-19

Boas malta fiz uma cronologia dos eventos nos estados unidos para entender como é que eles estiveram e quis comparar com a nossa. Decidi postar depois de ver este e este posts.
As conclusões não são boas, os media (americanos) dizem mal da inação do Trump mas nós tivemos uma sorte do Carvalho. Se em movimento de pessoas fossemos iguais a outros países os números eram muito piores, que se formos a olhar bem proporcionalmente em casos estamos ao nível dos estados unidos (mas com metade das mortes). A nossa primeira ação foi a meio de março.
(A minha cronologia certamente que não está completa e estou aberto a adicionar ou retirar coisas dadas fontes, Grande parte veio da Lusa/CM/JN outras coisas vieram da cronologia que fiz dos EUA)
Cronologia:
31 de dezembro de 2019 Organização Mundial de Saúde (OMS) revela haver mais de duas dezenas de casos de pneumonia de origem desconhecida detetados na cidade chinesa de Wuhan, província de Hubei.
1 de janeiro de 2020 É encerrado o mercado de peixe e carne de Wuhan que se pensa estar na origem da contaminação, dado que os doentes tinham todos ligação ao local.
4 de janeiro São 44 os casos de doentes com uma pneumonia de origem desconhecida reportados pelas autoridades chinesas.
5 de janeiro A OMS relatou uma "pneumonia de causa desconhecida" em Wuhan, China. A OMS desaconselhou restrições de viagem ou comércio na época.
8 de janeiro O CDC (EUA) emitiu o primeiro alerta público sobre o coronavírus.
9 de janeiro A OMS emitiu uma declaração nomeando a doença como um novo coronavírus em Wuhan. A China publicou os dados genéticos do novo coronavírus.
10 de janeiro É registado o primeiro morto, um homem de 61 anos, frequentador do mercado de Wuhan. Oficialmente há 41 pessoas infetadas na China. As autoridades chinesas identificam o agente causador das pneumonias como um tipo novo de coronavírus, que foi isolado em sete doentes.
13 de janeiro Primeiro caso confirmado fora da China, na Tailândia.
14 de janeiro A OMS disse que não encontrou provas de transmissão de pessoa para pessoa. https://twitter.com/WHO/status/1217043229427761152 https://nypost.com/2020/03/20/who-haunted-by-old-tweet-saying-china-found-no-human-transmission-of-coronavirus/
O chefe da Comissão Nacional de Saúde da China, Ma Xiaowei, forneceu confidencialmente uma avaliação “sombria” da situação para as principais autoridades de saúde chinesas. O memorando relacionado afirmava que "a transmissão de humano para humano é possível". Uma investigação da AP News indicou que a denúncia de um caso na Tailândia levou à reunião, bem como o risco de se espalhar com o aumento das viagens durante o Ano Novo Chinês e várias considerações políticas. No entanto, o público chinês não é avisado até 20 de janeiro.
15 de janeiro Primeiro caso reportado no Japão do novo coronavírus, entretanto designado como 2019-nCoV. Primeira declaração das autoridades portuguesas sobre o novo coronavírus. A diretora-geral da Saúde estima, com base nas informações provenientes da China, que o surto estará contido e que uma eventual propagação em massa não é "uma hipótese no momento a ser equacionada".
20 de janeiro Autoridades confirmam que há transmissão entre seres humanos. (CM reporta isto mas não consigo confirmar em mais fonte nenhuma, a OMS só confirmou a 23 de Janeiro)
O secretário geral do Partido Comunista Chinês, Xi Jinping, e o primeiro-ministro do Conselho de Estado, Li Keqiang, emitem o primeiro aviso público sobre o coronavírus aos cidadãos chineses. Uma investigação da AP News alegou que, de 14 a 20 de janeiro, as autoridades chinesas tomaram medidas confidenciais para mobilizar sua resposta à pandemia, mas não alertaram o público. Alertar o público seis dias antes podia ter evitado "o colapso do sistema médico de Wuhan", segundo um epidemiologista.
21 de janeiro Primeiro caso nos Estados Unidos, num doente em Washington regressado de Wuhan.
22 de janeiro Macau confirma o primeiro caso da doença, numa altura em que há mais de 440 infetados. Começa o isolamento da cidade de Wuhan ao mundo. Autoridades de saúde chinesas cancelam voos e saída de comboios. Portugal anuncia que acionou os dispositivos de saúde pública e tem três hospitais em alerta: São João (Porto), Curry Cabral e Estefânia (ambos Lisboa).
23 de janeiro OMS reúne comité de emergência na Suíça para avaliar se o surto constitui uma emergência de saúde pública internacional. Decide não a decretar. Autoridades chinesas proíbem entradas e saídas numa segunda cidade, Huanggan, a 70 km de Wuhan. As duas cidades têm em conjunto mais de 18 milhões de habitantes. Alguns aeroportos no mundo, como no Dubai, nos Estados Unidos e nalguns países africanos, começam a tomar precauções para lidar com o fluxo de turistas chineses que tiram férias no Ano Novo Lunar, que coincide com o surto.
24 de janeiro Confirmados em França os primeiros dois casos na Europa, ambos importados.
25 de janeiro Pequim suspende as viagens organizadas na China e ao estrangeiro. Austrália anuncia primeiro caso. Hong Kong declara estado de emergência. Primeiro caso suspeito em Portugal, mas as análises revelam que é negativo.
27 de janeiro O Centro Europeu de Controlo das Doenças pede aos estados-membros da União Europeia que adotem "medidas rigorosas e oportunas" para controlo do novo coronavírus.
28 de janeiro Mecanismo Europeu de Proteção Civil é ativado, a pedido de França, para repatriamento dos franceses em Wuhan. Confirmados dois casos, um na Alemanha e outro no Japão, de doentes que não estiveram na China, tendo sido infetados nos seus países por pessoas provenientes de Wuhan.
29 de janeiro Pelo menos 17 portugueses pedem para sair da China, quase todos na região de Wuhan. Finlândia confirma primeiro caso. Rússia encerra fronteira terrestre com a China. Estudo genético confirma que o novo coronavírus terá sido transmitido aos humanos através de um animal selvagem, ainda desconhecido, que foi infetado por morcegos.
30 de janeiro OMS declara surto como caso de emergência de saúde pública internacional, mas opõe-se a restrições de viagens e trocas comerciais.
31 de janeiro Estados Unidos decidem proibir a entrada de estrangeiros que tenham estado na China nos últimos 14 dias e impor quarentena a viajantes de qualquer nacionalidade provenientes da província de Hubei. Ministério da Saúde de Portugal anuncia que vai disponibilizar instalações onde os portugueses provenientes de Wuhan possam ficar em isolamento voluntário.
1 de fevereiro Austrália proíbe entrada no país a não residentes vindos da China.
2 de fevereiro Os 18 portugueses e as duas brasileiras retirados da cidade de Wuhan chegam a Lisboa e ficam em isolamento voluntário por 14 dias. Filipinas anunciam o primeiro caso mortal no país. É a primeira morte fora da China.
3 de fevereiro OMS anuncia que está a trabalhar com a Google para travar informações falsas sobre o novo coronavírus. O chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, declarou que não havia necessidade de medidas que "interferissem desnecessariamente com viagens e comércio internacionais" para parar o coronavírus. Elogiou a resposta chinesa e referiu que a propagação do vírus é "mínima e lenta".
11 de fevereiro OMS decide dar oficialmente o nome de Covid-19 à infeção provocada pelo novo coronavírus.
13 de fevereiro Autoridades chinesas mudam a forma de contabilizar e assumir casos de infeção. Passam a contar não apenas os casos com confirmação laboratorial, mas também os que têm confirmação clínica apoiada por exames radiológicos.
14 de fevereiro Segunda morte confirmada fora da China, no Japão.
15 de fevereiro Um turista chinês de 80 anos morre em França. É a primeira morte registada na Europa - o primeiro europeu a morrer no seu continente acontece a 26 de fevereiro.
16 de fevereiro Terceira morte confirmada fora da China, num turista chinês que visitava França.
19 de fevereiro Dois primeiros casos revelados no Irão. No mesmo dia é anunciado que os dois morreram devido ao Covid-19.
20 de fevereiro Autoridades chinesas voltam a alterar a metodologia da contagem de infetados, uma decisão que se reflete numa descida acentuada no número de novos casos. Coreia do Sul regista a primeira morte. Suíça adia uma cimeira internacional sobre saúde devido à epidemia, na qual estaria presente o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) e ministros da Saúde.
21 de fevereiro Autoridades chinesas anunciam que surto está "sob controlo". Itália regista primeira vítima mortal, um italiano de 78 anos.
22 de fevereiro Irão fecha escolas, universidades e centros educativos em duas cidades. País confirma mais de 40 casos de infeção e oito mortes.
23 de fevereiro Autoridade japonesas confirmam que um português, Adriano Maranhão, canalizador no navio Diamond Princess, atracado no porto de Yokohama, deu teste positivo ao vírus da infeção Covid-19. Presidente da China, Xi Jiping, admite que o surto é a mais grave emergência de saúde no país desde a fundação do regime comunista, em 1949. Autoridades italianas ordenam suspensão dos festejos do Carnaval de Veneza. Fundo Monetário Internacional (FMI) considera que epidemia coloca em risco a recuperação económica mundial e manifesta disponibilidade para ajudar financeiramente os países mais pobres e vulneráveis.
24 de fevereiro Comissão Europeia anuncia mobilização de 230 milhões de euros para apoiar a luta global contra o Covid-19. Diretor-geral da OMS avisa que o mundo tem de se preparar para uma "eventual pandemia", considerando "muito preocupante" o "aumento repentino" de casos em Itália, Coreia do Sul e Irão.
25 de fevereiro O português infetado a bordo de um navio de cruzeiros atracado no Japão é enviado para um hospital de referência local. O especialista que liderou a equipa da OMS enviada à China afirma que o mundo "simplesmente não está pronto" para enfrentar a epidemia.
26 de fevereiro Primeiro caso de contágio na América do Sul. É no Brasil, um homem de 61 anos, de São Paulo, regressado do norte de Itália. Vários países confirmam igualmente os primeiros casos: Grécia, Finlândia, Macedónia do Norte, Geórgia e Paquistão. OMS revela que o número de novos casos diários confirmados no resto do mundo ultrapassou pela primeira vez os registados na China.
27 de fevereiro Arábia Saudita suspende temporariamente a entrada de peregrinos que visitam a mesquita do profeta Maomé e os lugares sagrados do Islão em Meca e Medina, bem como turistas de países afetados pelo coronavírus. Segundo português hospitalizado no Japão "por indícios relacionados" com o Covid-19, também tripulante do navio de cruzeiros Diamond Princess. A DGS divulga orientações às empresas, aconselhando-as a definir planos de contingência para casos suspeitos entre os trabalhadores que contemplem zonas de isolamento e regras específicas de higiene, e para portos e viajantes via marítima, que define que qualquer caso suspeito validado deve ser isolado e que apenas um elemento da tripulação deve contactar com o passageiro.
28 de fevereiro Primeiro caso confirmado na África subsariana, na Nigéria, depois de terem sido identificadas infeções no norte do continente, no Egito e na Argélia. Suíça proíbe pelo menos até 15 de março qualquer evento público ou privado que reúna mais de mil pessoas. Comissão Europeia solicita aos Estados-membros da UE que avaliem os impactos económicos do novo coronavírus. OMS aumenta para "muito elevado" o nível de ameaça do novo coronavírus. Responsáveis da Feira Internacional de Turismo de Berlim anunciam a suspensão do evento, considerado o maior do mundo, que se deveria realizar entre 4 e 8 de março. Governo português reforça em 20% o stock de medicamentos em todos os hospitais do país, além de estar a preparar um eventual reforço de recursos humanos.
29 de fevereiro Governo francês anuncia cancelamento de "todas as concentrações com mais de 5.000 pessoas" em espaços fechados e alguns eventos no exterior, como a meia-maratona de Paris. Primeira vítima mortal nos Estados Unidos da América.
1 de março Governo das Astúrias confirma primeiro caso de infeção pelo novo coronavírus na região espanhola, o escritor chileno Luis Sepúlveda, que esteve recentemente na Póvoa de Varzim, em Portugal. Macau com perdas históricas nas receitas do jogo em fevereiro, menos 87,8% em relação a igual período de 2019, num mês em que os casinos fecharam por 15 dias devido ao surto de Covid-19. Adriano Maranhão, primeiro português infetado no Japão, tem alta hospitalar.
2 de março Confirmados dois primeiros casos em Portugal Funcionários públicos em teletrabalho ou isolamento profilático sem perda de salário em Portugal, segundo um despacho do Governo. Governo português divulga um despacho a ordenar aos serviços públicos que elaborarem planos de contingência para o surto de Covid-19.
3 de março Primeira morte em Espanha. Itália confirma 79 mortes. Número de infetados em Portugal sobe para quatro. Mais de três mil mortos e de 91 mil infetados em todos os continentes, segundo dados da OMS. Os países mais afetados são China, Coreia do Sul, Irão e Itália. Hospitais São João e Santo António, no Porto, esgotaram capacidade de resposta a casos suspeitos, novas unidades são ativadas Comissão Nacional de Proteção Civil passa a funcionar em permanência, para fazer face ao novo coronavírus. Governo português dá cinco dias às empresas públicas para elaborarem planos de contingência. Reserva Federal dos Estados Unidos (Fed), que gere a política monetária do país, corta em 50 pontos base as taxas de juro, devido ao novo coronavírus. O presidente da Fed, Jerome Powell, considera inevitável que os efeitos do surto alastrem às economias mundiais e alterem o seu normal funcionamento "durante algum tempo". FMI e Banco Mundial anunciam que reuniões de abril, que se realizam anualmente em Washington, vão ser feitas à distância, em "formato virtual".
4 de março Itália, o país europeu mais afetado, fecha todas as escolas e universidades. Tinha então 3,089 infetados e 107 mortos. Número de infetados em Portugal sobre para seis. Em todo o mundo, há registo de mais de 3.100 mortos e de 93.100 infetados em 77 países de cinco continentes. Mais de 290 milhões de jovens sem aulas em todo o mundo, segundo a UNESCO. Os trabalhadores em quarentena em Portugal por determinação de autoridade de saúde vão receber integralmente o rendimento nos primeiros 14 dias, diz despacho do Diário da República. O primeiro-ministro português anuncia linha de crédito para apoio de tesouraria a empresas afetadas pelo impacto económico do surto do novo coronavírus, caso seja necessário, no valor inicial de 100 milhões de euros. Banco Mundial anuncia 12.000 milhões de dólares (cerca de 10.786 milhões de euros) para ajudar os países que enfrentam impactos económicos e de saúde. O setor dos serviços contraiu pela primeira vez na China desde que há registos. FMI diz que crescimento mundial será inferior em 2020 ao de 2019 devido ao impacto da epidemia do novo coronavírus, mas que é "difícil prever quanto". Surto diminuiu exportações mundiais em 50 mil milhões de dólares em fevereiro, segundo uma análise publicada pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento. A Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo, no Porto, suspende aulas por ter havido contactos com o quinto infetado.
5 de março Portugal com nove casos de infeção. O número de pessoas infetadas em todo o mundo aumenta para 97.510, das quais 3.346 morreram, em 85 países e territórios. A China é o país mais afetado (80.409 casos e 3.012 mortes); seguido pela Coreia do Sul (6.088 casos, 35 mortes), Itália (3.858 casos, 148 mortes) e Irão (3.513 casos, 107 mortes). Bolsa de Turismo de Lisboa adiada para 27 a 31 de maio Perdas das companhias aéreas mundiais podem chegar aos 113 mil milhões de dólares (101,1 mil milhões de euros), estima a associação internacional de transporte aéreo (IATA). TAP reduz 1.000 voos em março e abril devido a quebra nas reservas, suspende investimentos e avança com licenças sem vencimento. O Fundo Monetário Internacional disponibiliza 50 mil milhões de dólares (cerca de 46,7 mil milhões de euros) para combater o surto.
6 de março 13 casos infetados em Portugal. Número de casos no mundo ultrapassa os 100 mil, das quais 3.456 morreram, em 92 países e territórios. A China (sem as regiões administrativas de Macau e Hong Kong), o país onde a epidemia foi declarada no final de dezembro, soma 80.552 casos e 3.042 mortes. Preço do barril de Brent cai mais de 6%, para 47 dólares, devido à quebra da procura
7 de março Número de infeções em Portugal sobe para 21 Visitas a hospitais, lares e estabelecimentos prisionais da região Norte suspensas temporariamente. A ministra da Saúde portuguesa, Marta Temido, recomenda também o adiamento de eventos sociais. Uma escola de Idães, em Felgueiras, o Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS), a Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto e o edifício do curso de História da Universidade do Minho foram encerrados por serem instituições relacionadas com casos de pessoas infetadas em Portugal. Governo italiano proíbe as entradas e saídas da Lombardia e de outras 11 províncias próximas para limitar a disseminação do coronavírus, que já causou 233 mortes e 5.061 infetados em todo o país.
8 março Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa decide entrar em quarentena de 14 dias após receber em Belém uma turma de Felgueiras. Mais quatro casos em Portugal, número de infetados sobe para 25. Reino Unido anuncia um aumento de 64 novos casos, elevando-o a um total de 273 casos. Este país regista três mortos. EUA tem 564 infetados, os mortos são 21. Itália confirma 1.492 casos adicionais e 133 mortes. Números totais: 7.375 infetados e 366 mortos. O primeiro-ministro Giuseppe Conte estendeu o bloqueio de quarentena para cobrir toda a região da Lombardia e outras 14 províncias do norte do país. Registado o primeiro morto em África, que ocorre no Egito - um cidadão alemão hospitalizado a 1 de março e depois sofreu insuficiência respiratória causada por pneumonia aguda. DGS encerra escolas e suspende atividades de lazer e culturais nos concelhos de Lousada e Felgueiras por causa do acumular de casos.
9 março Alemanha regista as duas primeiras mortes no país. Infetados aumentam para 1.176. Universidades de Lisboa e Coimbra suspendem todas as aulas presenciais por duas semanas. Itália estende quarentena a todo o país, onde número de mortos atinge 463. Primeiros casos em Chipre significam que todos os países da União Europeia estão atingidos pelo novo coronavírus. Números da Espanha aumentam para 1.231 casos, com 30 mortes. Itália: 9.172 infetados e 463 mortos. França revela que os deputados Guillaume Vuilletet e Sylvie Tolmont estão infetados, havendo cinco deputados da Assembleia com Covid-19. Também foi confirmado que o ministro da Cultura, Franck Riester, havia testado positivo. O número de casos aumentou para 1.412.
10 março Câmara de Lisboa encerra museus, teatros municipais e suspende atividades desportivas em recintos fechados. Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) decreta fecho de museus, monumentos e palácios na sua dependência. Governo português suspende voos para todas as regiões de Itália por 14 dias. O primeiro-ministro italiano Conte estende o bloqueio de quarentena a toda a Itália, incluindo restrições de viagens e a proibição de reuniões públicas. Número de infetados sobe para 10.149, número de mortos é já 631. Portugal: 41 infetados
11 março Organização Mundial de Saúde passa a considerar o Covid-19 como uma pandemia, isto é um surto de doença com distribuição geográfica internacional muito alargada e simultânea. Itália anuncia que o jogador da Juventus Daniele Rugani, colega de Ronaldo, testa positivo para Covid-19. Total de infetados em Itália: 12.462. Total de mortos: 827. Portugal: 59 infetados. Turquia anuncia primeiro caso num homem regressado da Europa. Mais de mil médicos disponibilizam-se para reforçar a capacidade de resposta do Serviço Nacional de Saúde.
12 março Portugal decide encerrar todos os estabelecimentos de ensino até ao final das férias da Páscoa a partir de 16 de março, encerramento de discotecas, restrições em restaurantes, centros comerciais, serviços públicos e proibição de desembarque de passageiros de cruzeiros. Portugal tem agora 78 pessoas infetadas e ainda zero mortes relacionadas com Covid-19. Estado de alerta declarado em todo o país, com proteção civil e forças e serviços de segurança em prontidão. Região Autónoma da Madeira suspende atracagem de navios de cruzeiro e impõe medição de temperatura a passageiros nos aeroportos. Governo dos Açores fecha escolas e museus, interdita cinemas e ginásios. Hospital de São João anuncia que uma das primeiras pessoas internadas em Portugal com Covid-19 se curou. Em apenas um dia, Itália regista 2651 novos infetados, elevando o número de doentes com Covid-19 para 15.113. Nas mesmas 24 horas, morreram 189 italianos. O total de mortos em Itália é agora 1.016.
13 março Europa toma o lugar da China como maior epicentro do coronavírus, diz a OMS, numa altura em que o crescimento de casos abranda no país oriental (China tem agora 80.815 infetados e 3.117 mortos) e acelera em Itália e no resto do continente europeu. Portugal: 112 infetados com o Covid-19. 61 países da África, Ásia, Europa, Oriente Médio, América do Norte e América do Sul anunciaram ou implementaram fecho total ou parcial de escolas e universidades. Trinta e nove países fecharam todas as escolas, afetando 421,4 milhões de crianças e jovens. Nesta altura são 11 os países que proíbem a entrada de voos de Portugal (e da Europa): Arábia Saudita, Argentina, El Salvador, EUA, Guatemala, Itália, Jordânia, Kuwait, Nepal, República Checa e Venezuela. Estados Unidos proíbem entrada de voos de passageiros vindos do espaço Schengen na Europa (26 países, incluindo obviamente Portugal) durante 30 dias. Venezuela, país de 32 milhões de habitantes, confirma os dois primeiros casos de infetados: uma pessoa vinda dos EUA e outra de Espanha. O país de Nicolas Maduro também proibiu voos vindos da Europa durante um mês. Eslováquia, Malta e República Checa fecham fronteiras com os países membros da EU. Governo permite a funcionários públicos ficar em casa em regime de teletrabalho sempre que funções o permitam. Madeira suspende voos provenientes da Dinamarca, França, Alemanha, Suíça e Espanha, países de transmissão ativa.
Presidente dos EUA, Donald Trump, declara estado de emergência nacional.
UEFA suspende todos os jogos sob a sua égide, incluindo Liga dos Campeões e Liga Europa. República Checa anuncia fecho total de fronteiras a partir de 16 de março.
14 março Número mundial de infetados: 150.054. Total de mortos: 5.617 Portugal: 169 infetados. Nas últimas 24 horas houve 57 novos casos. Não há ainda mortes em Portugal. Ministra da Saúde, Marta Temido, anuncia que Portugal entrou "numa fase de crescimento exponencial da epidemia", com 169 casos confirmados.
Açores e Madeira decidem quarentena obrigatória para todas as pessoas que cheguem às regiões autónomas. Governo de Espanha, onde há mais de 5.700 casos, impõe "medidas drásticas" no âmbito do estado de alerta, proíbe cidadãos de andar na rua, exceto para irem trabalhar, comprar comida ou à farmácia.
15 de março Número de casos em Portugal atinge 245, em todo mundo há quase 160.000 pessoas infetadas e já morreram mais de 6.000.
Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, convoca Conselho de Estado por videoconferência para 18 de março, para discutir a "eventual decisão de decretar o estado de emergência" em Portugal.
Sindicato Independente dos Médicos conta mais de 50 clínicos infetados e mais de 150 em quarentena.
Governo proíbe consumo de bebidas alcoólicas na via pública e eventos com mais de cem pessoas, apelando para que deslocações se limitem ao estritamente necessário.
Autoridade Marítima Nacional interdita atividades desportivas ou de lazer que juntem pessoas nas praias do continente, Madeira e Açores.
16 de março Portugal regista a primeira morte devido ao coronavírus. O número de infetados pelo novo coronavírus sobe para 331. Segundo a Direção-Geral da Saúde, há 2.908 casos suspeitos, dos quais 374 aguardam resultado laboratorial.
Governo português anuncia o controlo de fronteiras terrestres com Espanha, passando a existir nove pontos de passagem e exclusivamente destinados para transporte de mercadorias e trabalhadores que tenham de se deslocar por razões profissionais.
Portugal vai também intensificar o controlo sanitário nos aeroportos.
Macau decreta quarentena obrigatória de 14 dias para quem chegar ao território, com exceção da China continental, Taiwan e Hong Kong.
Assembleia da República dispensa funcionários inseridos em grupos de risco e promove o trabalho à distância e rotatividade.
17 de março O número de infetados sobe para 448.
É anunciado que o SNS foi reforçado com mais 1.800 médicos e 900 enfermeiros e que há 30 profissionais de saúde infetados, 18 dos quais médicos. E é também anunciado o nascimento do primeiro bebé filho de uma mulher infetada. O bebé não foi infetado.
O governo regional da Madeira anuncia o primeiro caso na região.
O município de Ovar fica sujeito a "quarentena geográfica" e o Governo declara o estado de calamidade pública para o concelho, que passa a ter entradas e saídas controladas. A circulação de pessoas nas ruas também é controlada.
António Costa anuncia a suspensão das ligações aéreas de fora e para fora da União Europeia.
A CP reduz em 350 as ligações diárias.
18 de março O Presidente da República decreta o estado de emergência por 15 dias, depois de ouvido o Conselho de Estado e de ter obtido o parecer positivo do Governo e da aprovação do decreto pela Assembleia da República.
O estado de emergência vigora até 02 de abril.
António Costa diz que "o país não para" e que o Governo tudo fará para manter a produção e distribuição de bens essenciais.
O estado de emergência contempla o confinamento obrigatório e restrições à circulação na via pública. A desobediência é crime e pode levar à prisão.
No dia em que o Governo revela um conjunto de linhas de crédito para apoio à tesouraria das empresas de 3.000 milhões de euros, é também anunciado que as contribuições das empresas para a Segurança Social são reduzidas a um terço em março, abril e maio, e que as empresas vão ter uma moratória concedida pela banca no pagamento de capital e juros.
O número de infetados sobe para 642 e regista-se uma segunda morte. O Alentejo regista os primeiros dois casos.
19 de março O número de vítimas mortais sobe para três em Portugal, com os casos confirmados a ascenderem a 785. Graça Freitas anuncia que quem apresentar sintomas ligeiros ou moderados da doença é seguido a partir de casa.
O primeiro-ministro anuncia, após a reunião do Conselho de Ministros, as medidas e regras para cumprir o estado de emergência, incluindo o "isolamento obrigatório" para doentes com covid-19 ou que estejam sob vigilância. Os restantes cidadãos devem cumprir "o dever geral de recolhimento domiciliário". A regra é que os estabelecimentos com atendimento público devem encerrar e o teletrabalho é generalizado.
A proposta de lei do Governo com as medidas excecionais é de imediato promulgada pelo Presidente da República.
É também anunciado que o Governo criou um "gabinete de crise" para lidar com a pandemia e que suspendeu o pagamento da Taxa Social Única.
O governo dos Açores determina a suspensão das ligações aéreas da transportadora SATA entre todas as ilhas e a TAP anuncia que vai reduzir a operação até 19 de abril, prevendo cumprir 15 dos cerca de 90 destinos.
20 de março Com o país recolhido começam a destacar-se respostas da sociedade civil e das autarquias para fazer face à pandemia, anunciam-se ações de solidariedade para com os mais necessitados.
O Governo reúne-se em Conselho de Ministros para aprovar um conjunto de medidas de apoio social e económico para a população mais afetada. António Costa anuncia que é adiado para o segundo semestre o pagamento do IVA e do IRC, a prorrogação automática do subsídio de desemprego e do complemento solidário para idosos e do rendimento social de inserção.
É também anunciado que as celebrações religiosas, como funerais, e outros eventos que impliquem concentração de pessoas são proibidos, e que as autoridades de saúde ou de proteção civil podem decretar a requisição civil de bens ou serviços públicos se necessários para o combate à doença.
Portugal tem seis vítimas mortais e 1.020 casos confirmados.
21 de março O número de mortes sobe para 12, o dobro do dia anterior, e os infetados são 1.280.
Marta Temido estima que o pico de casos aconteça em meados de abril, e diz que Portugal vai adotar um novo modelo de tratamento de infetados, que passa pelo aumento do acompanhamento em casa. Graça Freitas estima que a taxa de letalidade é de cerca de 1%, mas avisa que pode mudar.
O Governo anuncia que vai prorrogar os prazos das inspeções automóveis e reduz os leilões nas lotas, criando uma linha de crédito até 20 milhões de euros para o setor da pesca.
Com o país em casa surgem as primeiras notícias de infeções em lares. Na Casa de Saúde da Idanha, em Belas, arredores de Lisboa, é anunciado que 10 utentes estão infetados. Um lar em Vila Nova de Famalicão fica sem funcionários depois de oito terem dado positivo ao covid-19.
O ministro dos Negócios Estrangeiros anuncia que a TAP prevê realizar voos para a Praia e Sal (Cabo Verde), Bissau (Guiné-Bissau) e São Tomé para transportar portugueses para casa.
22 de março O número de mortes associadas à covid-19 sobe para 14 e o de infetados para 1.600 (mais 320).
Num domingo de sol muitas pessoas saem à rua e na Póvoa de Varzim a polícia é chamada devido ao "desrespeito ao estado de emergência" (multidão a passear). Em Coimbra a PSP também é chamada por causa de um aglomerado na Mata Nacional do Choupal.
São detidas sete pessoas no país por crime de desobediência.
Os utentes do lar de Famalicão são transferidos para o Hospital Militar do Porto.
As autoridades iniciam o repatriamento de mais de 1.300 passageiros que chegam a Lisboa num navio de cruzeiro (entre eles estão 27 portugueses).
O Governo assina três despachos, que entram em vigor no dia seguinte, para garantir serviços essenciais de abastecimento de água e energia, recolha de lixo e funcionamento de transportes públicos.
O presidente da Associação Nacional de Freguesias, Jorge Veloso, pede que as pessoas das cidades e os emigrantes evitem ir para o interior.
23 de março Portugal tem 23 mortes e 2.600 infeções.
As queixas sobre a falta de equipamentos para quem mais necessita, como profissionais de saúde ou de segurança, começam a surgir. O Governo anuncia que o Estado vai comprar à China equipamentos de proteção e que espera quatro milhões de máscaras. Cinco polícias e dois técnicos sem funções policiais estão infetados numa esquadra de Vila Nova de Gaia.
O Governo cria uma linha de apoio de emergência de um milhão de euros para artistas e entidades culturais e reforça com 50 milhões de euros os acordos de cooperação com o setor social (responsável pelos lares de idosos ou centros de dia).
Uma residência para idosos na Maia, Porto, coloca em isolamento 46 idosos devido a casos de infeção.
24 de março O número de mortes sobe para 33 e o número de infeções passa a 2.362.
A secretária de Estado da Administração Interna, Patrícia Gaspar, anuncia a ativação do Plano Nacional de Emergência de Proteção Civil, no mesmo dia em que são já 27 as detenções por violação das regras do estado de emergência.
O Presidente da República admite que o pico da pandemia possa ocorrer depois de 14 de abril. No parlamento, o presidente e líder parlamentar do PSD abandona o plenário depois de uma discussão sobre o número excessivo de deputados na bancada social-democrata.
A Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) lança uma linha de financiamento de 1,5 milhões de euros para investigação e "implementação rápida" de respostas às necessidades do SNS.
Em Vila Real, o presidente da Câmara alerta para a existência de 20 utentes e funcionários de um lar infetados com covid-19.
O Rali de Portugal é adiado.
25 de março Portugal regista mais 10 mortes chegando às 43, quando são contabilizadas 2.995 infeções.
O secretário de Estado da Saúde diz que o sistema tem capacidade de fazer 8.600 testes diários. A questão de se fazer mais testes ou não divide opiniões.
A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil coloca em alerta laranja, o segundo mais grave, os distritos de Lisboa, Porto e Aveiro.
O ministro de Estado e das Finanças diz que o país "nunca esteve tão bem preparado" para enfrentar uma crise como a causada pelo vírus.(lol) O Banco de Portugal anuncia que é facilitada a concessão de crédito pessoal por parte dos bancos.
A Câmara de Melgaço implementa um cerco sanitário na aldeia de Parada do Monte, com 370 habitantes, após confirmação de três casos de infeção.
A ASAE diz que já fiscalizou 41 operadores económicos por causa de especulação de preços.
26 de março Há 3.544 infeções e morreram 60 pessoas.
Há doentes a ser tratados com medicamentos da malária e do ébola, ainda que sem certezas, diz Graça Freitas.
O Banco de Portugal estima que o Produto Interno Bruto caia este ano 3,7% num cenário base e 5,7% num cenário adverso, devido à pandemia. A taxa de desemprego deve subir acima dos 10%. No dia em que Marcelo Rebelo de Sousa admite prolongar o estado de emergência reúne-se o Governo em Conselho de Ministros e aprova a suspensão até setembro do pagamento dos créditos à habitação e de créditos de empresas. Aprova também medidas excecionais de proteção dos postos de trabalho (como redução temporária de horário ou suspensão do contrato) e uma proposta de lei que prevê um regime de mora no pagamento das rendas, habilitando ainda o Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana a conceder empréstimos a inquilinos.
Na Maia um lar de idosos infetado é evacuado, em Vila Real aumentam as infeções num lar de idosos, de 20 para 45.
É anunciado que quem aterrar nos Açores tem confinamento obrigatório de 14 dias.
27 de março No lar da Nossa Senhora das Dores, em Vila Real, são agora 88 os infetados, entre os quais 68 utentes.
Em Portugal o número de mortes chega a 76 e o número de infetados sobe para 4.268.
Graça Freitas diz agora que o pico da pandemia pode afinal ser só em maio.
António Costa anuncia a chegada a Portugal de milhares de equipamentos de proteção individual e o Laboratório Militar também anuncia que começou a fazer testes de diagnóstico. Outras entidades como o Instituto de Medicina Molecular também começam a fazer testes.
Mil e quinhentos enfermeiros voluntariam-se para reforçar o apoio à linha telefónica SNS24, segundo a bastonária da Ordem.
As forças de segurança detiveram, desde o início do estado de emergência, 64 pessoas por crime de desobediência, e mandaram encerrar 1.449 estabelecimentos. O balanço é do MAI, segundo o qual também foram impedidas de entrar em Portugal 850 pessoas e uma delas foi detida. A detida, viria a confirmar-se depois, estava infetada com covid-19.
No Algarve, quando se aproxima o período da Páscoa, que costuma encher os hotéis, a associação empresarial do setor diz que a hotelaria está praticamente encerrada.
28 de março O número de mortes ascende à centena e os infetados são 5.170. Marta Temido também diz que o pico da epidemia só deve acontecer no final de maio e que as medidas de contenção social estão a abrandar a curva de infeções.
O Presidente da República pede aos portugueses para que, no período da Páscoa, continuem a respeitar as regras de contenção. A PSP interpela todas as pessoas que atravessam a Ponte 25 de Abril, no sentido norte-sul, e são divulgadas imagens de grandes filas de carros, alguns deles, diz a PSP, em incumprimento do estado de emergência.
É publicada uma retificação do diploma inicial do "lay-off" simplificado, acautelando que nenhum trabalhador de empresas que recorram e esse apoio pode ser despedido.
O Governo anuncia que vai organizar uma operação de transporte aéreo para o regresso temporário a Portugal de professores portugueses que estão em Timor-Leste.
29 de março Portugal contabiliza 119 mortes e 5.962 casos de infeções p. O número de pessoas internadas nos cuidados intensivos é de 138 doentes, um aumento para o dobro em relação ao dia anterior.
As notícias sobre infeções em lares continuam, como em Foz Côa, Guarda, onde o lar tem 47 infetados num universo de 62 idosos, segundo o provedor.
Em Ovar, onde foi declarado o estado de calamidade pública, são cinco as mortes, uma delas uma jovem de 14 anos, diz o vice-presidente da Câmara.
Nos Açores, o concelho de Povoação, na ilha de S. Miguel, é também submetido a um cordão sanitário.
Surgem notícias, através de sindicatos, de que há pelo menos um guarda prisional infetado do estabelecimento de Custoias e de uma auxiliar de ação médica no hospital prisional de Caxias. O Governo diz que vai ponderar criteriosamente a recomendação das Nações Unidas para libertação imediata de alguns presos mais vulneráveis.
30 de março António Costa avisa que Portugal "vai entrar no mês mais crítico desta pandemia", no dia em que os números da DGS indicam que há 140 mortes e 6.408 infetados.
Segundo o primeiro-ministro, com ou sem estado de emergência vai ser preciso prolongar as medidas que têm sido adotadas. E, diz também, que na próxima semana pretende cobrir o país com despistes de covid-19 em lares.
O secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, afirma que o número de profissionais de saúde infetados chegou aos 853, e Graça Freitas admite impor-se uma cerca sanitária na região do Porto, motivando fortes críticas.
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho, diz que a segurança social recebeu 1.400 pedidos de empresas que pretendem aderir ao "lay-off" simplificado.
(Continua nos comentários)
O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, admite nacionalizações e diz que seria "um erro trágico" reagir com medidas de austeridade à crise provocada pela pandemia, defendendo antes o apoio ao crescimento da economia.
O Governo pede a abertura de "forma condicionada" das juntas de freguesia onde estão instalados postos dos CTT, lembrando que esses serviços garantem a entrega de pensões. A empresa anunciou que ia antecipar a emissão e pagamento de vales em dois dias úteis.
Marcelo Rebelo de Sousa diz que se impõe manter as medidas de contenção que vigoram em Portugal.
A TAP avança para um processo de "lay-off" para 90% dos trabalhadores.
O governo dos Açores prolonga a situação de contingência no arquipélago até 30 de abril.
(Limite de Caracteres continua nos Comentários)
submitted by HairlessButtcrack to portugal [link] [comments]


2020.03.27 14:46 tatubolinha2000 Mantenha-se informado 27/03

📰 JRMUNEWS 🗞 Ano 2 – Nº 404 🗺 Notícias do Brasil e do Mundo 🗓 Sexta-Feira, 27 de março de 2020 ⏳ 87º dia do ano no calendário gregoriano 🌘 Lua Crescente 6% visível
💭 Frase do dia: Tudo o que um sonho precisa para ser realizado é alguém que acredite que ele possa ser realizado. - Roberto Shinyashiki
Hoje é dia... 🔹 do Artista Circense 🔹 do Ator 🔹 do Cinema Gaúcho 🔹 do Circo 🔹 da Inclusão Digital 🔹 do Serviço de Saúde 🔹 do Teatro
😇 Santo do dia: 🔹 São Ruperto
🎂 Municípios aniversariantes: Fonte: IBGE • Bento de Abreu-SP • Caldas-MG • Choró-CE • Fortim-CE • Itaitinga-CE • Itirapuã-SP • Magalhães Barata-PA • Mairiporã-SP • Ouriçangas-BA • Presidente Epitácio-SP • São Geraldo-MG • União da Vitória-PR
🇧🇷 BRASIL 🇧🇷 ✍ Presidente Bolsonaro voltou a minimizar epidemia e diz que brasileiro pula no esgoto e não pega nada ✍ Governo proíbe por 30 dias desembarque de estrangeiros em portos ✍ "O presidente sou eu", diz Bolsonaro após fala de Mourão sobre isolamento ✍ Decreto de Bolsonaro autoriza abertura de templos religiosos ✍ Ex-chefe da Casa Militar de Dilma assumirá Estado-Maior do Exército ✍ Governo zera imposto de importação de medicamentos contra a covid-19 ✍ Governo prepara decreto para prefeituras sobre transporte de cargas ✍ Teste de coronavírus de ministro Paulo Guedes deu negativo ✍ Filhos de Bolsonaro atuam em gabinete paralelo para reverter desgaste ✒ Câmara aprova auxílio de R$ 600 por mês para trabalhador informal ⚖ PGR quer que R$ 51 milhões atribuídos a Geddel vão para covid-19 ⚖ CNT vai ao STF para impedir fechamento de divisas estaduais ⚖ Justiça anula decisão que impedia entrada de estrangeiros em Fortaleza-CE ⚖ Defensoria Pública de SP entra com liminar em favor de idosos presos ⚖ STJ autoriza prisão domiciliar para quem deve pensão alimentícia ⚖ Justiça Federal no RJ bloqueia bens de 26 réus da Operação Furna da Onça a pedido do MPF ⚖ STF suspende trecho da MP de Bolsonaro da Lei de Acesso à Informação ⚖ Ministro do STF, Marco Aurélio nega suspender mudanças na lei trabalhista ⚖ Juíza manda Cunha para prisão domiciliar por causa da Covid-19 📌 Universidades e sociedade civil se juntam para produzir máscaras ☔ Inundação em Santana do Ipanema-AL causa danos em mais de 100 moradias ❄ Rio de Janeiro tem menor temperatura do ano pelo segundo dia consecutivo, diz Inmet 📍 Doria pede que igrejas façam missas e cultos virtuais após Bolsonaro incluir atividades religiosas como serviço essencial 📍 Supermercado em São Gonçalo-RJ verifica temperatura de clientes na porta para evitar contágio de coronavírus 📍 Tráfico e milícia ordenam toque de recolher em favelas do Rio 📍 Indígenas bloqueiam aldeias de SP para se protegerem do vírus 🚑 Criança de 5 anos é resgatada dois dias depois de ser picada por cobra jararaca em aldeia de Cruzeiro do Sul-AC 🚓 Dupla é detida em SP por incitar população a voltar às ruas 🚓 Polícia apreende álcool gel que era produzido em fábrica clandestina em Mesquita-RJ 🚓 Dois são presos por roubo de doses de vacina contra a gripe em Embu das Artes-SP 🚓 Corretor de São Gonçalo-RJ conta que bala perdida atingiu celular que estava na cama enquanto dormia 🚓 Assaltante é morto após tentar roubar mulher em posto de vacinação no Rio 🚓 Polícia prende em São Paulo suspeito de realizar mega-assalto no Paraguai 🚓 Francês é assassinado a tiros no Sítio Histórico de Olinda-PE
🌎 INTERNACIONAL 🌍 🇺🇸 Em carta, presidente Trump pede para americanos ficarem em casa por coronavírus 🇬🇧 Tossir em policiais e lojistas britânicos pode dar cadeia de até 2 anos 🇬🇧 Príncipe Charles, de 71 anos, está infectado com o coronavírus 🇺🇳 OMS reforça proposta de isolamento social contra coronavírus 🇻🇦 Papa Francisco tem teste com resultado negativo para coronavírus, diz imprensa 🇵🇾 Exército do Paraguai coloca arame farpado na fronteira com o Brasil 🇮🇱 Opositor Benny Gantz é eleito presidente do Parlamento de Israel 🇻🇪 EUA acusam formalmente Maduro de 'narcoterrorismo' e oferecem recompensa 🇺🇸 Pedidos semanais de auxílio-desemprego nos EUA disparam com pandemia 🇨🇳 China suspende entrada de estrangeiros devido ao coronavírus 🇪🇺 União Europeia celebra 25 anos de livre circulação com fronteiras fechadas 🇺🇾 Uruguai prepara medidas para evitar desabastecimento
🖤 MORTES 🖤 ✝ Naomi Munakata, maestrina titular do Coral Paulistano, por coronavírus, em SP, aos 64 anos ✝ Mark Blum, ator de 'You', por complicações causadas pelo coronavírus, aos 69 anos ✝ Marianne Ebert, atriz de 'Barriga de Aluguel' e 'Sonho Meu', de câncer, aos 51 anos ✝ Martinho Lutero Galati de Oliveira, maestro, após contrair coronavírus em SP, aos 66 anos ✝ Zoca, irmão mais novo de Pelé, de câncer de próstata, na cidade de Santos, aos 77 anos ✝ Michel Hidalgo, técnico campeão da Euro 84 pela França, de causas naturais, aos 87 anos
🧫 CORONAVÍRUS (Covid-19) 😷 😷 Brasil registra 77 mortes; casos são quase 3 mil; Perfil das vítimas: homem, com mais de 60 anos e problemas no coração 😷 Mundo tem 100 mil novos casos em 2 dias, e total passa de meio milhão 😷 EUA passam a China e se tornam o novo epicentro da epidemia com mais casos confirmados no mundo, 82 mil 😷 Espanha supera os 4 mil mortos 😷 Itália tem mais de 8 mil mortes desde o início do surto 😷 Com 500 mil testes por semana, Alemanha tem uma das menores taxas de letalidade na Europa 😷 África do Sul sobe para 927 casos antes do recolher obrigatório 😷 França registra 365 mortes por coronavírus em 24 horas 😷 China registra 54 casos importados, e país se isola 😷 Morte de jovem de 21 anos saudável acende alerta no Reino Unido 😷 Garota de 16 anos sem histórico de doenças morre na França 😷 Rede de contágio: uma pessoa infectada pode transmitir para até 3 😷 Perda de olfato pode indicar infecção pelo novo coronavírus
💰 ECONOMIA 💲 💰 Ibovespa sobe pelo 3º pregão consecutivo e acumula alta de 22%; dólar fecha abaixo de R$ 5,00 💰 G20 injeta US$ 5 trilhões na economia para conter coronavírus 💰 Liquigás reforça higiene e mantém entrega de gás de cozinha 💰 Presidente do BC diz que atual patamar da Selic é apropriado 💰 Crise no setor de petróleo pode ser a pior em 100 anos, diz executivo 💰 Mais de 7,5 milhões de contribuintes entregaram declaração do IR 💲 Custo da construção sobe 0,38% em março, diz FGV 💲 Agricultura prorroga validade de declaração do pequeno produtor 💲 Caixa corta juros do cheque especial e do cartão para 2,9% ao mês 💲 Bolsas dos EUA avançam e têm 3º dia consecutivo de ganhos 💲 Petróleo despenca após G-20 ignorar guerra de preços entre Arábia Saudita e Rússia 💲 Escassez de produtos frescos deve afetar Europa em meio a paralisações por coronavírus 💲 Iata projeta queda de 40% em receita do setor aéreo no Brasil em 2020 💲 Oi tem prejuízo de R$ 2,3 bilhões no 4° trimestre 📊 Indicadores: 🏦 Ibovespa 77709 pontos 📈 💵 Dólar Canadá R$ 3,555 📈 💵 Dólar Comercial R$ 4,997 📉 💵 Dólar Turismo R$ 4,80📉 💶 Euro R$ 5,524 📈 💷 Libra R$ 6,077 📈 💸 Bitcoin R$ 33.461,21📈 💸 Bitcoin Cash R$ 1.135,04📈 💸 XRP R$ 0,86📈 🔶 Ouro (g) R$ 262,82 📉 ⚪ Prata (g) R$ 2,3226 📉 💰 Poupança 0,245% a.m. 💰 Selic 3,75% a.a. 💰 CDI 3,65% a.a. 💰 IPCA a.m. fev/20 0,25% 💰 IPCA a.a. 2020 0,4605% 💰 IPCA acum. 12m 4,0049% ⛽ Petróleo Brent (barril) US$ 26.960 📉 ⛏ Minério de Ferro 62% US$ 88,77 📉 🐂 Boi (@) R$ 201,85 📈 ☕ Café (sc) R$ 582,00 📉 🌽 Milho (sc) R$ 59,21 📉 🥚 Ovos (30 dz) R$ 102,16 ↔ 🥜 Soja (sc) R$ 98,55 📉
🔬 CIÊNCIA, TECNOLOGIA & SAÚDE 💓 💓 Projeto que taxa grandes fortunas destina recursos para a saúde 💓 Produtores de cachaça vão doar 70 mil de litros de álcool ao SUS 💓 Obras de hospital do Pacaembu em SP ganham divisórias para 200 leitos 💓 Ministério da Saúde lança serviço no celular para tirar dúvidas sobre o novo coronavírus 💓 Hospital das Clínicas de SP libera 900 leitos para casos de coronavírus 🖱 Vendas globais de smartphones têm queda de 14% em fevereiro, mostra pesquisa 🖱 YouTube retira 14 vídeos com falsos tratamentos médicos contra a Covid-19 🖱 Spotify fará doação milionária para ajudar indústria da música
🏆 ESPORTES 🏆 ☑ Amandinha, jogadora da seleção brasileira de futsal é eleita a melhor do mundo pela sexta vez ☑ Lutador Jon Jones é preso por dirigir bêbado, sem documento e com arma de fogo ☑ Maracanã transforma-se em hospital de campanha no RJ ☑ Após encontro com príncipe Charles, lutador Anthony Joshua se isola em casa
🎭 ARTE & FAMA 🌟 🎙 Emicida refaz voo de 'Passarinhos' em remix com banda chilena Moral Distraída 🎙 Péricles se junta ao rapper Fábio Brazza no single 'Só uma noite' 🌟 Mariana Ferrão contrai coronavírus e deixa vizinhos em pânico 📺 Netflix renova reality shows, incluindo 'Love is Blind' e 'The Circle' 📺 Band sai do ar em todo o Brasil e volta uma hora depois 📺 Audiência da Globo dispara, ibope é maior do que todas as emissoras somadas 📺 Gizelly é a décima líder do BBB 20; Gabi e Mari estão no paredão 🎞 Filme narrado por Meghan será lançado em 3 de abril, anuncia Disney
🔎 #FAKENEWS: Não é verdade que Presidente da China, Xi Jinping, faz discurso falando em nova era, exército e guerra inevitável. Fonte: Boatos..org
🛳 TURISMO ✈ 🎒 Conheça Entre Rios-MG: Integrante do Circuito Trilha dos Inconfidentes - juntamente com outros 20 municípios da região – Entre Rios reúne e oferece encantos típicos de Minas. Entre eles estão a boa mesa, as cachoeiras, o artesanato, a tranquilidade. Nas ruas calmas da cidade estão casarões e prédios centenários como a Igreja Matriz de Nossa Senhora das Brotas, de influência neogótica; e o prédio do Hospital Cassiano Campolina, onde lindas pinturas se sobressaem na edificação de linhas neoclássicas. Lá dentro fica a capela de Nossa Senhora das Dores, que vale a visita ao hospital. Já na zona rural os destaques são as fazendas coloniais. A mais imponente é a Olhos d’Água, que abriga uma capela da primeira fase da arte colonial mineira; as ruínas de uma Casa de Pedra e várias cachoeiras como a dos Coqueiros e a do Gordo, perfeitas para banhos nos meses de verão. E por falar em zona rural, a cidade ficou conhecida pela criação e seleção dos cavalos da raça Campolina. Não por acaso, as cavalgadas em meio a trilhas são umas das atividades imperdíveis por lá. Para ver a cidade colorida e animada, visite Entre Rios em julho. No mês das férias acontece a tradicional Festa da Colheita, com exposição de animais, rodeios, shows, barraquinhas e desfile de carros de boi enfeitados. Já em agosto é a vez da Festa de Nossa Senhora de Brotas, com procissões e missas. Voltar de Minas de malas vazias é impossível. Em Entre Rios, as lembrancinhas artesanais são variadas: tem cachaça, licor, doce caseiro de frutas da terra, cestaria, tear, cachepô em palha de milho, bordados. Fonte: Férias Brasil
📚 FIQUE SABENDO... ...Por que as pessoas sentem tanto frio nos pés e nas mãos? ⁉ Sente-se mais frio nas extremidades do corpo porque a circulação periférica é menor do que a do centro do corpo. O sangue, como uma forma de defesa, corre mais intensamente perto dos órgãos vitais, como o coração. Fonte: O Guia dos Curiosos
📖 BÍBLIA: Ó povo de Sião, alegre-se e regozije-se no Senhor, o seu Deus, pois ele dá a vocês as chuvas de outono, conforme a sua justiça. Ele envia a vocês muitas chuvas, as de outono e as de primavera, como antes fazia. Joel 2:23 🙏
Que seu dia seja como a vontade de DEUS: bom, perfeito e agradável!! 🥖
By JRMUNEWS 🐞 🗺 Pariquera-Açu-SP 📝 Fazendo diferente e a diferença
🤓 LEIA E COMPARTILHE 📤
Visite, curta, siga, comente, avalie, compartilhe nossa página no Facebook:
https://www.facebook.com/JRMUNEWS/
submitted by tatubolinha2000 to DiretoDoZapZap [link] [comments]


2019.07.11 23:51 realistahomem HÁ 127 ANOS, O EQUADOR FOI A PRIMEIRA NAÇÃO À SER CONSAGRADA AO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA

HÁ 127 ANOS, O EQUADOR FOI A PRIMEIRA NAÇÃO À SER CONSAGRADA AO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA

https://preview.redd.it/su841ym7wq931.png?width=750&format=png&auto=webp&s=eb29a1d7babf61d84808a9e1ec51e1c66361aac4
HÁ 127 ANOS, O EQUADOR FOI A PRIMEIRA NAÇÃO À SER CONSAGRADA AO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA.
NOTA: OCORREU 25 ANOS ANTES DE NOSSA SENHORA APARECER EM FÁTIMA E AVISAR QUE A RÚSSIA DEVERIA SER CONSAGRADA AO SEU IMACULADO CORAÇÃO EM 1917 ... ASSIM TAMBÉM, COMO FOSTES A PRIMEIRA NAÇÃO À SER CONSAGRADA AO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS EM 1874 (185 ANOS DEPOIS DO FRANCÊS REI LUÍS XIV - "O REI SOL ECLIPSADO" - NEGAR O PEDIDO DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO PARA CONSAGRAR A FRANÇA AO SEU SACRATÍSSIMO CORAÇÃO EM 1689, PORÉM 51 ANOS ANTES DE PIO XI PUBLICAR A ENCÍCLICA "QUAS PRIMAS" SOBRE A SOLENIDADE DA FESTA DE CRISTO REI EM 1925).
submitted by realistahomem to brasilivre [link] [comments]


2019.06.27 08:56 altovaliriano O Trono de Ferro sem gênero e o impacto efêmero do Grande Conselho de 101 DC

Texto original: https://bit.ly/2X5ruWC
Autor: @clintw (advogado licenciado no estado da California, EUA, especializado na defesa do consumidor)

Introdução / Tese

Em Game of Thrones, no universo do show, a questão de se é possível para uma mulher sentar no Trono de Ferro está bem consolidada. Cersei Lannister, a Primeira de seu nome, Rainha dos Ândalos e dos Primeiros Homens, e Protetora do Reino, sentou-se no Trono de Ferro por quase 3 anos (de tempo real) desde a abdicação do Rei Tommen. Embora muitos súditos da Rainha Cersei estejam um pouco irritados com isso, as realidades de quem atualmente detém o poder em Westeros tornam possível, se não esmagadoramente provável, que o sucessor de Cersei também seja mulher. Assim, podemos dizer que no universo do show o teto de vidro (de dragão?) foi completamente quebrado.
Mas e o universo dos livros A Song of Ice and Fire? Na Westeros do livro, Cersei ainda não teve sua ascendência, Daenerys ainda está enredada em seu nó de Meereenês, e Sansa está apenas começando a reunir suas forças no Vale. É lícito que um desses governantes capazes se declare #ForTheThrone? A maioria dos westerosis acredita que é ilegal uma mulher governar.
A maioria dos Westerosis está errada.
"Aos olhos de muitos, o Grande Conselho de 101 d.C. estabeleceu um precedente de ferro nos assuntos de sucessão:independentemente da antiguidade, o Trono de Ferro de Westeros não podia passar para uma mulher, nem por meio de uma mulher para seus descendentes masculinos" (TWOIAF, Os Reis Targaryen, Jaehaerys I)
Convocado por ordem do Conciliador, Rei Jaehaerys, para resolver a questão de sua própria sucessão, o Grande Conselho de 101 DC escolheu o Príncipe Viserys, em detrimento do Príncipe Laenor, como o herdeiro de Jaehaerys I, em parte porque Viserys descendeu da linhagem masculina enquanto que Laenor descendeu de uma linha feminina. A decisão final tomada por este primeiro Grande Conselho levou muitas pessoas, tanto em Westeros quanto no fandom, a argumentar que o resultado do Grande Conselho transmitiu uma espécie de precedente legal ao Trono de Ferro: que a linha masculina deve SEMPRE herdar antes da linha feminina. No entanto, este argumento não abarca várias coisas sobre o Grande Conselho e sua decisão, incluindo, mas não necessariamente se limitando a: a natureza da decisão em si, a teoria do direito e a natureza do precedente tanto em Westeros quanto no mundo real.
Neste ensaio, demonstrarei que:
  1. O Grande Conselho de 101 AC era uma assembléia legislativa, não uma corte judicial;
  2. Isso porque a decisão que o Grande Conselho de 101 AC fez foi uma decisão legislativa, não confere nenhum poder de precedente; e
  3. Que o modo de aplicação da lei em Westeros não permite uma leitura no sentido de que o Grande Conselho de 101 AC alterou fundamentalmente as regras de herança do Trono de Ferro.

Contexto Factual Relevante

Em 101 DC, Rei Jaehaerys I era realmente muito velho. Quando o primeiro filho e herdeiro de Jaehaerys, Aemon Targaryen, morreu cerca de 10 anos antes, o rei nomeou seu terceiro filho Baelon como herdeiro. Ao fazê-lo, ele passou por cima de sua neta Rhaenys (presumivelmente, mas não explicitamente) porque Rhaenys era uma mulher e Baelon era um homem. A esposa de Jaehaerys, a rainha Alysanne, estava furiosa porque acreditava que o sexo de Rhaenys não deveria impedi-la de herdar o trono. Ocorre que Baelon morreu muito tragicamente, deixando o reino sem um herdeiro reconhecido.
Em 101 DC, Jaehaerys sabia que ele não tinha muito tempo de sobra. Embora a maioria de seus filhos estivesse morta a esta altura, muitos tiveram seus próprios filhos e, como resultado, Jaehaerys estava um pouco em apuros no que se referia a quem deveria sucedê-lo como monarca dos Sete Reinos.
Por uma questão de brevidade, vou pular as dezenas de possibilidades disponíveis, para concentrar-me nos dois principais candidatos entre os quais Jaehaerys teve que fazer uma escolha:

1 - Viserys Targaryen, seu neto (24 anos)
2 - Laenor Velaryon, seu bisneto (7 anos)

No ano 101 DC, a Casa Velaryon era uma das casas mais ricas e poderosas de Westeros, e eles começaram a reunir forças para forçar a reivindicação de Laenor. Para evitar uma possível guerra civil entre essas facções, Jaehaerys decidiu convocar um Grande Conselho com Senhores de toda a Westeros “para discutir, debater e decidir a questão da sucessão”. Vide Fogo & Sangue - Herdeiros do dragão: uma questão de sucessão.
Esta foi uma sábia decisão política da parte de Jaehaerys. Delegar a decisão permitiu-lhe evitar qualquer ramificação de facções rivais de quem quer que o Conselho escolhesse, porque ele poderia por a culpa da decisão sobre os Senhores de Westeros. Isso também significava que ele evitaria deixar Alysanne irritada, ao, mais uma vez, explicitamente favorecer sua linha masculina em detrimento de sua linha feminina.
É importante notar que a tarefa de Jaehaerys para o Grande Conselho foi escolher seu herdeiro. Em condições normais, esta tarefa seria do rei, mas ele escolheu, neste caso, delegar este poder ao Grande Conselho. O que ele não fez (e não poderia fazer) foi delegar ao Grande Conselho o poder de escolher todos os herdeiros de todos os tempos.
Em todo caso, o Grande Conselho se reuniu por 13 dias em Harrenhal. Eles discutiram e dispensaram 9 requerentes menos importantes por razões tão variadas quanto:
"As reinvidicações fracas de nove concorrentes menores foram avaliadas e descartadas (um deles, um cavaleiro andante que se apresentou como filho natural do próprio rei Jaehaerys, foi capturado e aprisionado quando o rei o expôs como mentiroso). O arquimeistre Vaegon foi descartado por causa dos votos e a princesa Rhaenys e a filha por causa do sexo" - Fogo & Sangue - Herdeiros do dragão: uma questão de sucessão.
Observe novamente que, embora alguns desses requerentes fossem descontados pelo Grande Conselho por causa de seu sexo, essa não era a única consideração do Conselho. Vaegon, que teria tido uma reivindicação muito forte na ausência de seus votos de maestria, foi descontado como resultado de ele adotou a corrente, mostrando que o Grande Conselho valorizava a praticidade da escolha não apenas se o pretendente era homem ou mulher.
Com o descarte dessas alegações menores, os Lordes também consideraram os vários pontos fortes e fracos dos dois principais demandantes.
"...restando os dois reclamantes com mais apoio: Viserys Targaryen, filho mais velho do príncipe Baelon com a princesa Alyssa, e Laenor Velaryon, filho da princesa Rhaenys e neto do príncipe Aemon. Viserys era neto do Velho Rei, Laenor, seu bisneto. O princípio da primogenitura favorecia Laenor, o princípio da proximidade favorecia Viserys. Viserys também foi o último Targaryen a montar em Balerion… embora, depois da morte do Terror Negro em 94 DC ele nunca tenha montado em outro dragão, enquanto o garoto Laenor ainda não havia feito seu primeiro voo em seu jovem dragão, um animal esplêndido cinza e branco chamado Fumaresia. Mas a reivindicação de Viserys derivava do pai, a de Laenor, da mãe, e a maioria dos senhores achava que a linhagem masculina devia ter precedência sobre a feminina. Além do mais, Viserys era um homem de vinte e quatro anos, Laenor um garoto de sete. Por todos esses motivos, a reivindicação de Laenor era vista como a mais fraca, mas a mãe e o pai do menino eram figuras tão poderosas e influentes que não pôde ser totalmente descartada.
...
Embora o senhor e a senhora Velaryon fossem eloquentes e generosos nos esforços em nome do filho, a decisão do Grande Conselho nunca foi questionada. Com uma grande margem de diferença, os senhores reunidos escolheram Viserys Targaryen como herdeiro legítimo do Trono de Ferro. Apesar de os meistres que contaram os votos nunca terem revelado os números, diziam depois que a votação fora de mais de vinte contra um." - Fogo & Sangue - Herdeiros do dragão: uma questão de sucessão.
Essa decisão do Grande Conselho dos Lordes conferiu um precedente duradouro ou simplesmente escolheu um herdeiro conveniente e prático? O texto não menciona nenhuma intenção precedencial por parte do Conselho. Em contraste, o texto enfatiza que, embora o fato da reivindicação de Viserys derivar da linha masculina fosse uma consideração importante, essa não era a única consideração importante. Outras considerações incluíam: a diferença de idade, a proximidade em relação a Jaehaerys e também a capacidade de cavalgar dragões para perpetuar a Dracocracia que os Targaryens estabeleceram em Westeros.
Não obstante, a decisão de escolher Viserys sobre Laenor foi tomada de maneira assimétrica pelo Grande Conselho. Ademais, Jaehaerys por fim ratificou essa decisão, aceitando-a, e nomeando Viserys como seu herdeiro. Devido à ratificação da decisão pelo Antigo Rei, não pode haver debate que a escolha final feita pelo Grande Conselho de 101 AC tenha força de lei. Mas a questão de se isso criou um precedente duradouro requer um estudo sobre o tipo de lei que foi feito naquele ano em Harrenhal. Foi uma lei que apenas afetou Jaehaerys, Viserys e o pobre Laenor? Ou era uma lei precedencial que vincularia futuros pretendentes ao Trono de Ferro para as gerações vindouras?

Teoria do Direito / Padrão de Revisão

Para responder a uma questão de direito, primeiro precisamos definir nossos termos. Lembrem-se que citação do Meistre Yandel acima: "Aos olhos de muitos, o Grande Conselho de 101 d.C. estabeleceu um precedente de ferro nos assuntos de sucessão...". Vide TWOIAF, Os Reis Targaryen, Jaehaerys I. Então, o que diabos é a definição legal de um precedente?
Felizmente, as pessoas têm definido o termo "precedente" por séculos. O primeiro lugar que a maioria dos advogados procurará por uma definição legal é o "Black's Law Dictionary", um tomo pesado. Black define "precedente" como:
“Um caso julgado ou uma decisão da corte de justiça, considerada como provedora de exemplo ou autoridade para um caso idêntico ou similar que se origine posteriormente ou uma questão de direito similar. Uma minuta de escritura, acordo, testamento, petição, reclamação \bill, no original]) ou outro instrumento legal, considerado digno de servir como um padrão para futuros instrumentos da mesma natureza."
Observe que, de acordo com essa definição, para que uma decisão tenha valor precedencial, ela deve: 1) vir de um tribunal ou outra entidade judicial; 2) ter valor como um exemplo para ser usada por tribunais no futuro; e 3) tratar de uma questão de direito que possa aconteceu de novo. (Note também que “bill” neste contexto não significa um projeto de lei considerado por uma legislatura no sentido de “Eu sou apenas um projeto de lei sentado no Capitólio”; em vez disso, um “bill” legal é uma maneira antiga de dizer “reclamação”). Mas e as outras definições fora dos dicionários?
Os tribunais norte-americanos definem precedentes de maneira semelhante. Por exemplo:
“Um precedente judicial atribui uma conseqüência legal específica a um conjunto detalhado de fatos em um caso julgado ou decisão judicial, que é então considerado como provedor da regra para a determinação de um caso subseqüente envolvendo fatos materiais idênticos ou similares e surgido no mesmo tribunal. ou um tribunal inferior na hierarquia judicial" Allegheny General Hospital v. NLRB, 608 F.2d 965, 969-970 (3rd Cir. 1979).
Mais uma vez, as mesmas três características mencionadas acima existem: uma decisão judicial, que serve como exemplo, que provê a regra (também conhecida como a lei) para determinar futuros casos semelhantes.
Os Estados Unidos e outros países do Common Law também usam o termo latino “stare decisis” para se referir à noção de precedente. O Tribunal de Apelações do Nono Circuito (o Melhor Circuito) tem isto a dizer sobre a interação entre os dois:
“Stare decisis é a política do tribunal de se apoiar no precedente; o termo é apenas uma abreviação de stare decisis e non quieta movere - “estar de prontidão e seguir as decisões e não perturbar o que está resolvido”. Reflita sobre a palavra "decisis". A palavra significa, literal e legalmente, a decisão. Sob a doutrina do stare decisis, um caso é importante apenas para o que ele decide - pelo “o quê”, não pelo “por quê”, nem pelo “como”. No que diz respeito ao precedente, stare decisis é importante apenas para a decisão, para a detalhada conseqüência jurídica que sucede a um conjunto detalhado de fatos ”- United States Internal Revenue Serv. v. Osborne (In re Osborne), 76 F.3d 306, 96-1 U.S. Tax Cas. (CCH) paragr. 50, 185 (9th Cir. 1996)
Procurando uma definição de precedente mais Nascida do Ferro? Austrália tem uma para você:
“[este] é o caminho da Common Law, os juízes preferindo ir 'de caso a caso, como os antigos marinheiros do Mediterrâneo, agarrando a costa de ponta a ponta e evitando os perigos do mar aberto da sistematização ou da ciência." Perre v. Apand (1999) 198 CLR 180 (Justice McHugh)
O ponto é que, por definição, um precedente só pode ser feito por um órgão judicial e só pode ser usado para decidir uma questão de direito. O que leva à próxima pergunta: O Grande Conselho de 101 AC foi um órgão judicial?

Análise Jurídica

O Grande Conselho não era uma corte judicial, era uma assembléia legislativa. Os teóricos jurídicos, considerando a diferença entre os tipos de estruturas legais, na maioria das vezes começam com Charles-Louis de Secondat, Barão de La Brède e Montesquieu (ou Montesquieu, abreviado). Montie (ainda mais curto) foi um estudioso francês no início dos anos 1700 que escreveu o que veio a ser um texto extremamente influente sobre lei e governo chamado “De l'esprit des loix”, ou “O espírito das leis”. Nele, ele argumentou que uma separação de poderes governamentais entre diferentes pessoas ou corpos era essencial para evitar a tirania. Além disso, o tipo de separação dos poderes individuais era crucial. Montesquieu escreveu:
"Existem em cada Estado três tipos de poder: o poder legislativo, o poder executivo das coisas que dependem do direito das gentes e o poder executivo daquelas que dependem do direito civil.
Com o primeiro [Legislativo], o príncipe ou o magistrado cria leis por um tempo ou para sempre e corrige ou anula aquelas que foram feitas. Com o segundo [Executivo], ele faz a paz ou a guerra, envia ou recebe embaixadas, instaura a segurança, previne invasões. Com o terceiro [Judicial], ele castiga os crimes, ou julga as querelas dos particulares. Chamaremos a este último poder de julgar e ao outro simplesmente poder executivo do Estado." - O espírito das leis, Livro X\na verdade Livro XI, capítulo VI])
Como Montie descreve acima, a determinação feita pelo Grande Conselho de 101 AC tem muito mais em comum com uma determinação legislativa do que judicial. As características de uma determinação judicial são geralmente que a decisão tomada é imparcial e baseada nos fatos e na lei de um assunto específico. A decisão é normalmente feita por um juiz ou um júri, agindo como funcionários da justiça em um caso ou controvérsia. Outra característica de uma determinação judicial é que, no ideal, ela é independente da vontade popular. Além disso, as decisões judiciais geralmente não se baseiam apenas em considerações práticas, mas devem ser guiadas primeiro pela lei e depois pelos fatos.
A decisão do Grande Conselho não tinha nenhuma dessas características. Primeiro, claramente não era imparcial, pois muitos dos próprios demandantes ou suas facções representativas podiam votar. Por exemplo, Corlys Velaryon, pai de Laenor, votou. Segundo, o grande Conselho não era nem um juiz nem um júri decidindo quais fatos eram verdadeiros e quais fatos não eram. Terceiro, o Grande Conselho foi enfaticamente uma expressão da vontade popular.
Em contraste, uma natureza essencial de uma determinação legislativa é a falta de valor precedencial. Isto ocorre por uma boa razão: os legisladores geralmente não devem ser capazes de vincular os futuros legisladores a não mudarem as coisas se as leis que promulgarem forem ruins. A natureza mutável de uma determinação legislativa é tão crucial que Montesquieu a mencionou em sua definição de poder legislativo. (“... o príncipe ou o magistrado cria leis por um tempo ou para sempre e corrige ou anula aquelas que foram feitas...”). De fato, você vê inúmeros exemplos de legislaturas aprovando ou tentando aprovar leis para revogar ou substituir leis aprovadas por legislaturas anteriores. A tentativa frustrada do recente Congresso Republicano de revogar a Affordable Care Act é um dos exemplos proeminentes disso.
As determinações legislativas também devem se preocupar com considerações práticas. Por exemplo, uma legislatura aprovando uma lei deve decidir se o Tesouro pode arcar com o custo da lei. Assim também, o Grande Conselho se baseou em considerações excessivamente práticas, além do sexo através do qual a reivindicação derivava. O texto menciona explicitamente que o Conselho considerou várias considerações práticas: “O princípio da primogenitura favorecia Laenor, o princípio da proximidade favorecia Viserys. Viserys também foi o último Targaryen a montar em Balerion… embora, depois da morte do Terror Negro em 94 DC ele nunca tenha montado em outro dragão, enquanto o garoto Laenor ainda não havia feito seu primeiro voo em seu jovem dragão, um animal esplêndido cinza e branco chamado Fumaresia... Além do mais, Viserys era um homem de vinte e quatro anos, Laenor um garoto de sete.” Se a tarefa do Grande Conselho era fazer um Precedente de Ferro que determinasse por todos os tempos que as mulheres nunca poderiam sentar no Trono de Ferro, nenhuma das considerações acima seriam de qualquer relevância. O fato de que tais praticidades eram relevantes dá peso à conclusão de que tal precedente não era pretendido.
Dado o tipo de determinação feita pelo Grande Conselho, a composição do Conselho, e como o Conselho fez a sua determinação, há pouca dúvida de que a decisão tomada foi de natureza legislativa, ao invés de judicial. Mas isso não põe fim à questão de saber se a decisão do Grande Conselho teve valor precedencial, porque as legislaturas podem e aprovam leis que afetam o futuro. Por exemplo, o Congresso pode aprovar essa lei a partir de agora, certas atividades são ilegais. Alguns podem referir-se coloquialmente a tal lei como um "precedente", mesmo que não se enquadre na definição estrita. No entanto, para que o Congresso aprove uma lei que afeta os eventos no futuro, ele ter a intenção e expressa-la. Aqui, o Grande Conselho não fez isso. A tarefa era simples, estrita e finita: escolher um herdeiro para Jaehaerys. Ao tomar a decisão, o Grande Conselho não fez outra coisa senão escolher um herdeiro para Jaehaerys. Não há absolutamente nenhuma evidência textual para a noção de que o Grande Conselho de 101 AC realmente votou em qualquer coisa que dissesse: 1) Viserys Targaryen é o verdadeiro herdeiro de Westeros, e 2) também, por acaso, nenhuma mulher ou homem pela linha feminina pode herdam o trono.
Mas vamos supor à título de argumentação que o Grande Conselho, de fato, pretendia tal precedente futuro. Se o Grande Conselho quisesse de fato o resultado de que, a partir de agora, apenas homens e governantes que herdassem dos homens sentassem no Trono de Ferro, esse ato legislativo ainda teria força de lei?
Não teria. Sabemos disso porque, como disse Montesquieu, todas as decisões legislativas estão sujeitas a futuros órgãos legislativos “ corrig-[irem] ou anula[rem] aquelas que foram feitas ”. Aqui, mesmo se o Grande Conselho tivesse decidido que não poderia haver futuro monarca do sexo feminino no Trono de Ferro, um órgão legislativo subseqüente revogou a decisão. Neste caso, o órgão legislativo subseqüente não era outro senão o próprio Viserys:
"Para o rei Viserys, o assunto estava há muito encerrado; Rhaenyra era sua herdeira, e ele não queria ouvir argumentos contrários ‒ apesar dos decretos do Grande Conselho de 101 d.C., que sempre colocava um homem sobre uma mulher". (TWOIAF, os Reis Targaryen, Viserys I)
Em um sistema monárquico, a palavra do rei é um decreto legislativo. Portanto, na medida em que o Grande Conselho do 101 AC estabeleceu que as mulheres não podiam mais sentar no Trono de Ferro, essa determinação legislativa foi anulada pelo rei Viserys. Assim, a decisão do Grande Conselho não pode ter valor de precedente e vincular futuros monarcas ou órgãos legislativos caso esses legisladores decidam emendar ou revogar a decisão. Não existe um Precedente de Ferro que impeça as mulheres de sentarem no Trono de Ferro ou os homens de herdarem o Trono através dos direitos de suas mães.

A Lei westerosi não ampara uma conclusão diferente

Poder-se-ia argumentar que as leis de Westeros não seguem a teoria e o costume que se desenvolveram no Common Law moderno ou na lei de nosso mundo, e assim Black's Law Dictionary e Montesquieu podem catar coquinho. Mas uma leitura justa da lei westerosi, na forma em que ela existe, não ampara a noção de que as mulheres tiveram seu direito de herança proibido antes ou depois do Grande Conselho de 101 AC.
Antes do Grande Conselho de 101 AC, havia vários exemplos de monarcas que eram mulheres ou derivavam seu domínio da linha feminina. Dorne é, naturalmente, repleto de tais governantes, de Nymeria a Meria Martell. Na verdade, pode-se argumentar que o próprio Trono de Ferro passou para um governante que derivou seu governo em virtude de sua mãe: Maegor era o filho de Aegon, o Conquistador, mas a primogenitura pura e agnática teria considerado rei seu sobrinho Aegon. Em vez disso, Maegor afirmou sua reivindicação por direito de sua mãe Visenya. Além disso, relatos contemporâneos indicam que a questão da ascensão feminina estava muito aberta na época:
"Enquanto muitos ainda debatiam se a precedência na linha sucessória cabia ao príncipe Maegor ou à sua sobrinha Rhaena, parecia inquestionável que Aegon sucederia ao pai Aenys tal como Aenys sucederia a Aegon." - Fogo & Sangue - Os filhos do dragão
O fato de que Maegor v. Rhaena foi levado a debate significa que não havia necessariamente uma proibição contra governantes do sexo feminino. Se o costume universal fosse proibi-lo, ninguém se importaria em discutir quem prevaleceria entre Maegor e Rhaena. Isso indica que Westeros segue a Primogenitura de Preferência Masculina, não a Primogenitura Agnática estrita.
Eventos subsequentes ao Grande Conselho confirmam esta leitura. O herdeiro escolhido de Viserys, Rhaenyra, de fato, subiu ao Trono de Ferro, embora por um curto período de tempo. Também sabemos com certeza que, apesar da decisão do Conselho, não há nenhuma proibição legal contra mulheres que servem como monarcas ou senhores no norte. Veja, por exemplo:
"– Novo, e um rei – disse ele. – Um rei precisa ter um herdeiro. Se morrer em minha próxima batalha, o reino não pode morrer comigo. Pela lei, Sansa é a seguinte na linha de sucessão, portanto, Winterfell e o Norte devem passar para ela. [...] – Você reza para que não seja. Já pensou em suas irmãs? E os direitos delas? Concordo que não podemos permitir que o Norte passe para o Duende, mas e Arya? Por lei, ela vem depois de Sansa... sua própria irmã, legítima..." - ASOS: Catelyn V
Se houvesse um Precedente de Ferro contra uma mulher herdar qualquer tipo de trono, nem Sansa nem Arya Stark estariam na linha de sucessão para o título de Rainha no Norte. E ainda assim elas estão. Além disso, sabemos em ADWD, Jon IX que as filhas legítimas herdam antes dos tios por causa do direito legal de Alys Karstark de herdar o Karhold antes do otário do seu tio Cregan.
"– Ele não é nenhum lorde – Alys disse com desdém. – Meu irmão Harry é o legítimo senhor, e, por lei, sou sua herdeira. Uma filha vem antes de um tio. Tio Arnolf é apenas o castelão. Ele é meu tio-avô, na verdade, o tio do meu pai. Cregan é filho dele. Imagino que isso faça dele um primo, mas nós sempre o chamamos de tio." ADWD, Jon IX
Lorde Comandante Snow organiza um casamento entre Alys e Sigorn para cimentar a reivindicação de Alys a Karhold. Se as mulheres estivessem totalmente impedidas de herdar, seu casamento não teria importância e Karhold passaria para seu tio-primo Cregan.
Enquanto a aplicação do costume legal em Westeros é um assunto para outro ensaio, minha leitura inicial indica que não há nada que leve à conclusão de que o costume preexistente ou a prática subsequente façam a decisão do Grande Conselho de 101 AC um tipo de lei superior. Em poucas palavras: a decisão foi sobre Viserys e Laenor apenas. As tentativas de torna-la um Precedente de Ferro são equivocadas e incorretas.

Conclusões

O Grande Conselho do 101 AC não criou um precedente juridicamente vinculativo em Westeros. Não era pretendido, e mesmo se tivesse sido aquela decisão do Grande Conselho foi anulada por Viserys I. Não há lei que impeça as mulheres de se sentarem no Trono de Ferro, ou que os homens herdem o Trono através de suas mães.
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2019.06.06 21:23 Amanda3exceler DETETIVES PARTICULARES NA FICÇÃO

Quando pensamos em detetives particulares, as primeiras imagens que se formam em nossa mente são de grandes nomes da ficção que valorizam uma profissão que trabalha repleta de discrição e sutileza. A carreira de detetive sempre encantou gerações por ser mostrada nos livros, filmes e séries, como uma das melhores profissões a serem seguidas, devido ao seu heroísmo e contribuição para a sociedade. Na vida real, algumas coisas descritas na ficção não acontecem exatamente daquela forma, porém, a carreira não deixa de ser extremamente interessante e muito promissora. Vamos abordar alguns dos maiores nomes de detetives do mundo das fantasias, além de apresentar diferenças existentes entre eles e os detetives reais.

DETETIVES NA FICÇÃO

Durante as gerações, as histórias dos grandes feitos dos detetives particulares sempre despertaram curiosidade e fascínio, tanto em crianças quanto em adultos. Existem nomes muito conhecidos na literatura que influenciaram na criação de personagens, tanto para o cinema quanto para séries e programas de televisão em geral.

Sherlock Holmes

O mais famoso detetive de todos os tempos foi pensado pelo escritor escocês Arthur Conan Doyle, em 1876, quando ele estava na Universidade de Edimburgo, Escócia. O então estudante de Medicina se inspirou em seu professor Joseph Bell, que era capaz de diagnosticar os pacientes apenas com uma simples observação de poucos minutos. Desde então, Doyle começou a elaborar as mais variadas aventuras para seu personagem, que era descrito como inteligente, atento, observador, prepotente e muito sedutor com seu cachimbo e chapéu. Holmes inspirou, ao longo da história, mais de 210 obras para o cinema, contando filmes e séries, em que foi interpretado por cerca de 75 atores, incluindo Robert Downey Jr. e Benedict Cumberbatch.

Dick Tracy

Dick Tracy é um detetive particular das histórias em quadrinhos, criado pelo cartunista Chester Gould, em meados de 1931, sendo descrito como um dos personagens mais durões das HQ’s. A personagem, que tem grande aptidão para realizar invenções, entrou para a polícia após a morte de seu sogro, assassinado por bandidos. Ele é conhecido por criar o videofone, uma espécie de relógio que emitia e recebia imagens e sons, permitindo que ele se comunicasse com seus colegas de trabalho a longas distâncias. O personagem foi interpretado e dirigido no cinema por Warren Beatty em 1990, em um longa que contava no elenco com grandes nomes do momento, como Madonna, Al Pacino e Dustin Hoffman.

Miss Marple

A personagem Jane Marple, mais conhecida como Miss Marple, foi criada por Agatha Christie e está presente em 20 contos e doze romances policiais da autora. Ela é descrita como uma senhora solteira que vive no vilarejo fictício de St. Mary Mead, dotada de uma mente extremamente lógica e grandes conhecimentos da natureza humana, incluindo suas fraquezas, truques e excentricidades. Ela é uma das personagens mais famosas da escritora junto com Hercule Poirot e já apareceu em centenas de filmes, séries e peças teatrais inspiradas na obra de Christie.

Inspetor Clouseau

O detetive francês Jacques Clouseau, de A Pantera Cor-de-Rosa, é descrito como atrapalhado, confuso, distraído e nada discreto. A personagem foi criada e exibida através de uma série animada nos Estados Unidos pelos estúdios DePatie-Freleng Enterprises, entre 1969 e 1980. O detetive, que utiliza disfarces esdrúxulos, como perucas, grandes bigodes, narizes e orelhas falsas, esteve presente em oito filmes, sendo os últimos estrelado pelo comediante Peter Sellers.

Ed Mort

O detetive brasileiro desta lista, Ed Mort, foi pensado por Luís Fernando Veríssimo em seu primeiro conto, A Armadilha, de 1979, passando logo após para outras mídias. A personagem, descrita como extremamente atrapalhada, fez curso de detetive particular pelos Correios subornando o carteiro para ser aprovado nos testes e divide um escritório em Copacabana com seu rato Voltaire e mais de 110 baratas. A personagem ganhou vida pela primeira vez no cinema em 1997, quando foi interpretada por Paulo Betti. Em 2011, Fernando Caruso começou a atuar no mesmo papel em um seriado lançado pelo canal Multishow.

A GRANDE DIFERENÇA ENTRE FICÇÃO E REALIDADE

Na ficção, existem dois tipos de descrição para os detetives particulares, em que o primeiro os apresenta como pessoas extremamente inteligentes e de uma perspicácia não-humana, conseguindo resolver os casos quase que magicamente. Na segunda descrição, eles são apresentados como profissionais atrapalhados que resolvem seus mistérios, muitas vezes por acaso, compondo grandes histórias de comédias. Na vida real, o profissional desta área é qualificado e desenvolveu habilidades de observação, discrição e raciocínio lógico. Além disso, os detetives particulares da realidade se utilizam das mais novas tecnologias disponíveis no mercado para reunir as evidências de seus casos, como câmeras profissionais, GPS, escutas de rádio, rastreadores e afins.

CONCLUSÃO

Não importa se é na realidade ou na ficção, os detetives particulares sempre são enxergados pela população como grandes heróis que conseguem solucionar casos e problemas que ninguém imaginou que teriam solução.

Saiba mais em: https://www.elitedetetives.com.b
submitted by Amanda3exceler to u/Amanda3exceler [link] [comments]


2018.06.29 11:44 Copa7 Novo elogio aos portugueses

Na continuação deste post: https://www.reddit.com/portugal/comments/8urlrb/elogio_aos_portugueses/
Quero partilhar a minha história de ontem, o que realmente prova que os portugueses têm um carinho para com o outro que é dificil de explicar. Claro que ha gente boa e má em todo o lado. Mas fiquei realmente surpreendido.
A história é a seguinte: Ontem vinha de mais uma viagem de trabalho e fiz escala em Toulouse para seguir para o Porto. Eu geralmente evito viagens pela Easyjet, mas desta vez esqueci-me do motivo, e ontem relembrei-me o porquê. Mas já lá vou. Portanto, estava eu tranquilo, a ouvir musica na fila para embarcar, com uma mala de cabine mais a mala do portátil. Uma senhora toca-me no ombro (não estava imediatamente atrás de mim, ainda teve de ultrapassar algumas pessoas para chegar ao meu encontro) e começa-me a falar em francês, do qual respondi imediatamente que não falo francês. Nisto, pergunta-me se sou português e então começou-me a falar em português. Disse-me que a Easyjet ia-me cobrar 70€ porque levava uma mala extra (e aí relembrei-me de o porquê de evitar sempre a Easyjet). Disse-me para pedir ao casal da frente que não levava nenhuma mala para levar uma das minhas malas por mim, contudo tentei comunicar com o casal e prontamente indicaram que não falavam inglês. Então a senhora falou com eles em francês e apesar de não ter percebido absolutamente nada do que lhes disse, notei claramente que a senhora esteve visivelmente a convencer o casal a fazer isso por mim (notei que a mulher do casal estava visivelmente desconfortavel com isso e não pretendia ajudar). Mas a senhora, à boa forma tuga lá convenceu o casal a levar a minha mala do portátil até ao avião.
No momento foi tudo tão rápido que nem deu para perceber em tudo aquilo que a senhora realmente fez por mim. Claro que agradeci e ainda tentei "recompensar" a senhora pela ajuda, mas prontamente recusou. Mas no seguimento da viagem fiquei a pensar em tudo aquilo e: - Uma senhora que não me conhece de lado nenhum, nem estava perto de mim, fez um esforço e saiu da sua zona de conforto simplesmente para.... Ajudar um perfeito desconhecido. Que nem sabia que era seu conterraneo; - Esteve a convencer desconhecidos a ajudarem... desconhecidos; - Apesar de tentar sempre fazer o bem, eu não teria coragem de fazer algo semelhante; - E por último. Porquê a mim? Porque é que esta senhora apareceu naquele momento para me ajudar? É talvez a resposta para aquilo: "Se praticas o bem, mais tarde ou mais cedo és recompensado". Por vezes são apenas estes pequenos momentos que somos recompensados.
Não sei se consegui passar em texto o impacto que este momento teve para mim. Na verdade não foi tanto pelos 70€, se os tivesse que pagar lá o faria, mas foi sobretudo a ajuda da senhora para comigo sem me conhecer de lado nenhum. Achei incrível...
EDIT: - Eu também não aceitaria mala de estranhos. Se o casal não aceitasse levar a mala (que percebia perfeitamente), lá pagaria os 70€ (ou melhor, a empresa, porque ia em trabalho). - Não faço o bem à espera de ser recompensado. Apenas falei da história pela atitude da senhora, e estão a calcar em tudo o que não interessa. Como disse, é dificil passar o impacto que aquele momento teve para mim através de escrita. Só estando naquela situação (antes que comecem também a cascar, não estou a dizer que era uma situação grave) perceberiam.
submitted by Copa7 to portugal [link] [comments]


2017.09.17 05:55 pedrothegrey O detetive.

Entendiado na sala de espera. Fazem quarenta minutos que estou sentado neste sofazinho marrom, esperando que me chamem. Folheio as revistas e ouço o barulho da rua, o som das buzinas irritadas e o choro das crianças, o grito das mães, do dinheiro que entra no caixa, do assaltante que foge. Os sons que por mais de 10 anos escuto todo santo dia.
— Detetive N...! — Ouço a secretária gritar.
— Aqui. — Respondo, com rispidez.
— A doutora H... pediu para que o senhor entre, a consulta vai durar apenas vinte minutos. Não se preocupe.
Faço que sim com a cabeça e entro no consultório. Era diferente do que eu imaginava, na sua mesa tinham algumas pilhas de papéis, fichas dos pacientes, algumas revistas de psicologia em francês e inglês e uma cadeira na frente da mesa. Ela era uma mulher alta e bonita, motivo pelo qual tantos policiais não se importavam em ter que fazer as seções obrigatórias. Eu me sento na cadeira, pego o maço de cigarros amassado que guardo no bolso e puxo um cigarro.
— Você não pode fumar aqui. — Ela me diz, e com muito desgosto guardo o cigarro. — Estou vendo na sua ficha, você veio aqui porquê... deixa eu ver... Ah! Agrediu um padre. O senhor confirma? Ótimo, vamos prosseguir. Esta é a primeira das sete visitas obrigatórias, vou pedir para que o senhor assine aqui. E aqui. Obrigada. Agora sente-se. O senhor poderia me contar um pouco mais sobre sua experiência?
— Sobre o padre? Vamos, doutora, está tudo na ficha. Tudo bem, tudo bem, eu falo. Tínhamos uma investigação de violência sexual de um menor na paróquia da rua 52. Recebemos alguns telefonemas anônimos detalhando certos aspectos da aliciação dos garotos, e o modus operandi deste padre em específico. Minha equipe seguiu de perto o caso, e tínhamos fortes evidências que sugeriam que o padre guardava um diário, onde ele fazia uma espécie de confessionário com ele mesmo. Pedimos um mandato ao Juiz para investigar sua casa e encontrá-lo, mas vi que ele ia rejeitar o pedido quando retirou debaixo do terno um crucifixo e o mostrou para mim.
Eu olhava pela janela que ficava ao lado da cadeira onde me sentava, e contemplava, como um espectador em imersão, as entranhas da cidade. Havia muito que eu não enxergava as vísceras dela, mas daquele consultório eu tinha uma visão privilegiada da podridão.
— Continue, por favor. — Ela disse, rabiscando seu bloco de notas.
— No fim das contas, o juiz acabou contando ao padre sobre a investigação. As provas, nesse momento, devem estar enterradas debaixo dos sete círculos do inferno. — Eu disse, cansado.
— E você foi atrás dele? Quer dizer, do padre. — Ela perguntou.
— Olha, doutora, acho que repetir tudo que está registrado na minha ficha não vai me ajudar em nada. O que você quer que eu diga? Olhe pela janela e veja. Pouse seu olhar em um ponto fixo e observe os arredores, note como o ponto vai mudar. Perceba como as pessoas vem e vão em perfeita harmonia com o ambiente, com uma sincronia ímpar entre a indiferença social e cósmica. Socar a cara daquele padre não me fez bem, tampouco ajudou as crianças ou a investigação. Fiz o que fiz pelo mais mesquinho dos desejos. Sou isso, tempestade e ímpeto. Um coração à deriva, uma garrafa de consciência largada num oceano revolto de emoções profusas e indistinguíveis. Tentar ver valor ou significado nas minhas ações vai se mostrar, como a senhora verá nas próximas seções, a mais inútil das tarefas.
Um alarme que vinha do relógio de pulso da doutora disparou.
— N..., acredito que estamos progredindo. Nossa seção está encerrada, mas o aguardo para a próxima. Você se importa de chamar o próximo? Feche a porta. Adeus. Eu saio do consultório. São 18:30h e já anoiteceu. Uma noite sem estrelas, sem o máximo atestado da indiferença do mundo. Isso me força a olhar para frente, para a rua e para as pessoas. Elas tem caras de sono, mas a doença destas é o tédio, que em um bocejo mortal, engolirá a todos nós. Da onde eu ouvi isso? Deve ter sido algum francês, talvez Baudelaire ou Flaubert, não tenho certeza. Mas soa francês, não é?
Caminho para o estacionamento, entro no carro e dou a ignição no motor. A 120 quilômetros por hora numa rodovia mal iluminada, enxergo somente a sinalização reflexiva do chão. Algum drogado sai correndo de um canto qualquer, e num instante me desvio dele, derrapando os pneus e quase capotando o carro. Com o coração acelerado, sinto a adrenalina residual no meu corpo, que agora não tem mais uso além de deixar tenso. Talvez seja esse um problema mais geral do que eu imaginei, adrenalina residual.
Meus punhos ainda doem. As crianças ainda choram. E o padre ainda faz sua confissão e se exime dos pecados. Numa espécie de autoflagelação profana, nós seguimos unidos em um mesmo destino, em uma mesma aventura pagã e sádica. Eternas peças em um tabuleiro sem divisões, de um jogo sem regras. Sem um começo ou um final, seguimos no mesmo ritmo melancólico até o final das eras. Todos nós. Eu, as crianças e o padre.
Perco minha linha de raciocínio; o bip de superaquecimento do carro havia sido acionado há alguns minutos, e somente agora, quando o carro começa a esfumaçar, reparo. Ligo para a seguradora, em vinte minutos o reboque vai chegar. Me sento no banco novamente, olhando os carros que vão e vem, em borrões retangulares à luz de postes amarelados. A maioria tem seu destino para fora do centro da cidade, correndo o mais rápido que podem em direção aos subúrbios, tentando fugir de mais um dia.
O reboque chega e eu ganho uma carona. Preencho a papelada da oficina; me dão um prazo de duas semanas para terminar de consertar o carro. Chego em casa, tão disperso que nem me lembro como. Não importa. Tiro o uniforme, o revólver do coldre. Banho. Me sento a frente da escrivaninha, tiro a munição do tambor da arma, desencaixo o tambor e a empunhadura. Limpo o revolver com delicadeza, tirando poeira e pólvora seca de cada ranhura. Respeito a arma. Melhor, eu a admiro. Ela é um símbolo, e Deus sabe que temos poucos bons símbolos hoje em dia. É muda e sincera, a face da morte, representante máxima da impotência e da ignorância humana. Eu entendo o motivo pelo qual, durante o treinamento, fomos disciplinados a amá-la como nossa mulher. Ah! Eu entendo. Eu durmo em rápida e profunda dormência...
... Estou atrasado. Visto meu uniforme e vou para o ponto de ônibus. Faz um calor opressor, o vento corre pelo meu rosto, secando-o em pinceladas secas e dolorosas. Insipiro e expiro; o som é alto e seco, um barulho de papel amassando, de cigarro queimando. O ônibus chega e libera mais uma lufada de ar quente, que sai do escapamento, em mim. Entro e me sento. O calor faz o rosto das pessoas parecer miserável às sete da manhã, e o meu não é diferente. Olho pela janela e o sol mutila a todos como o olhar de uma mulher, mas não me engano, pois nem todos sentem isto, assim como nem todos estão conscientes dos olhares das mulheres, da maré alta durante a lua cheia ou das flores do mal, que morrem em agonia, sem o amor de um poeta. De novo essa paixão francesa no meu coração, recorrente, irreal.
Alguém faz sinal. O ônibus para e entram uma mulher e duas crianças. Uma delas com cinco ou seis anos, a outra, apenas um bebê no colo de uma mulher. Uma mulher negra, magra, com um cabelo desgrenhado, porém bem cuidado. Alta e forte, ela carrega a criança como se nada pesasse, se move com graça com toda a bagagem feminina, isto é, bolsas, fraldas, mamadeiras, roupas reserva etc. Vestia um vestido colorido, predominantemente verde, e no pescoço, um crucifixo de madeira. Quando tirei os olhos dela e olhei o menino, foi que reparei quem ele era. Nunca vou esquecer do olhar que me deu, nem da forma como, logo em seguida, desviou o olhar envergonhado. O medo, o desespero, a dor nos olhos de uma criança; de todos os grandes filósofos, só o maior deles entendeu o desespero de uma criança, mas mesmo assim, Ivan Karamazov só renunciou a Deus. Que haverei eu de fazer? Eu, que já não tenho a quem fazer rebelião, pois que nunca tive religião. Não amo a vida, o viver, e portanto não me basta o destino de Werther, de Hemingway. O que é o homem sem rebelião, ou ainda, sem a quem se rebelar? Nada mais que um inseto. E esse pensamento sempre foi tão natural, tão profundo no meu ser, que me espanta só agora ter me tornado consciente dele.
Em pouco tempo, cinco horas se passaram. Estou almoçando sozinho, em um restaurante barato, vendo o noticiário sensacionalista do horário dos insetos. O trabalho não me deixa em paz nem quando como. Saio de lá de estômago vazio, pago minha conta e me ponho a andar. Em alguns instantes já será hora da consulta.
— Assine aqui... e aqui. — Disse a doutora. — Sente-se, por favor, fique à vontade. — Nos sentamos e nos encaramos por alguns segundos.
— Posso quebrar o gelo?
— Com certeza.
— Você quer tomar um café comigo depois da sessão?
— O quê?
— Vai ser interessante.
— Isso é inapropriado, senhor N...!
— Ah! Tudo bem. Bom... é...
— O senhor pode começar me falando como se sentiu depois da sessão anterior.
— Eu comecei a fumar mais.
— Tem vontade de parar?
— Nenhuma.
— O senhor deveria ten...
— Você pode me receitar algum remédio para dormir? — A interrompi.
— O senhor está tendo problemas para dormir?
— Não. Durmo o sono das crianças. Só que são as dessa cidade.
— Ri, e percebi que ela se assustou com o comentário.
— Não existe razão para que eu receite esse tipo de remédio então, não é?
— E o que você pode me receitar?
— Qual o seu problema?
— Achei que você pudesse me dizer.
— Sou a mediadora, senhor N...
— Ah! Entendo. Posso ir embora?
— A corporação o obriga a fazer as seções.
— Eles sabem ser persuasivos. Eu não tenho nada para falar hoje. E como eu disse, tudo que faço é ímpeto. A senhora não vai achar nenhum material de estudo nos meus problemas.
— Meu objetivo não é esse. Quero somente te ajudar.
— A senhora pode reverter uma decisão judicial?
— Não, não posso.
— Então a senhora não pode me ajudar.
Passados cinco minutos de silencio, eu olhava para o teto e para a janela do consultório. Da rua, via-se um bar. Nele, rapazes sem camisa, com bermuda e boné. Carros de som estacionados na rua reverberam música em volumes altíssimos. Os gritos e os risos raramente eram distinguidos do som alto, mas se faziam ouvir no meio do barulho. Do outro lado da rua, saído de algum beco inominável, um homem branco, pálido, magro, seco e encurvado, atravessa a rua. Sua camisa, rasgada pela metade, expunha sua costela que se sobressaía da pele. E o cheiro e a dor da miséria eram transmitidos no olhar. Seus braços estavam cobertos de feridas, o sangue denso, coagulado, estava preso na pele, acobertando parte das manchas de infecção que seu corpo colecionava. Ele tremia as mãos e na direita exibia um caco de vidro. Ele se aproximou do bar convulsivamente, tremendo todas as partes do corpo. Um homem sem controle. Aquilo já não era mais um homem, não era... Ah! Os insetos! Sempre me perseguem. Absorto em meu pensamento narcisista, só me dou conta do problema depois que o som dos carros é interrompido. Os rapazes expulsam o ser à socos e chutes. Como ele não rachou ou quebrou é impressionante, devo dizer. Olho para a doutora e aponto, com o olhar, para a rua.
— Só assine aqui antes de ir. — Ela disse.
Saio depressa do consultório, chego na calçada e avanço para o bar. Perguntas rotineiras. Sigo o caminho que disseram que o inseto havia percorrido, e faço eu o mesmo caminho. Procurando; Ouroboros. Perco rapidamente a corrida, os labirintos do centro se estendem além da compreensão humana, e paro no meio da rua, ofegante. O silêncio me oprime. Olho no celular; 18:13. A noite começa a chegar, aumentando o sibilo do vento e diminuindo a temperatura. Eu só tenho que seguir na mesma direção que ele pode ter ido, me embrenhar mais profundamente nas ruas apagadas, passar por entre as praças, com seus bancos e brinquedos quebrados. Eu tenho que continuar a seguí-lo. Eu quero continuar. Uma raiva irracional começa a brotar de mim, e a abraço como ela vem.
Subitamente, um grito. Agudo, desesperado, forte e vigoroso. Deus! Eu demorei demais. Sigo o grito, "SAI DAQUI! MEU DEUS, AJUDA!", viro uma, duas, três ruas e o grito cessa. Debaixo da luz do poste, embaixo de um céu sem estrelas, jaz um corpo que sangra. Eu saco o revólver e sigo com cautela, olho em todas as direções e me aproximo do corpo. Coloco meus dedos indicador e médio no seu pescoço; sem pulso. Viro o corpo e a luz amarelada e inconstante do poste revela uma mulher negra, bonita. Com um vestido verde manchado de sangue, rasgado no peito e na barriga. O sangue escorre delicadamente do seu corpo, criando um padrão singular no chão, onde uma pequena poça se forma, e em um ou dois segundos, o sangue caminha devagar para o esgoto. O crucifixo que ela usava mais cedo havia sumido. A melancolia não me atinge, a adrenalina permanece comigo, olho atento em todas as direções e... Ela não carregava um bebê mais cedo?
Aperto a empunhadura do revolver com força, estendo meus braços e tento mirar para frente. Minhas mãos tremem; um homem sem controle. Não posso me desesperar agora, não, não agora! Ouço um barulho pouco mais alto que meus pensamentos, uma lata de alumínio cai no chão. Achei. Sigo o som devagar, com passos determinados. Uma esquina; me viro rapidamente, engatilhando o revolver. Da sombra sai o inseto. Trêmulo e vacilante. Cadê o bebê? Cadê o bebê? Olho para os lados mas é só escuridão.
— Você pegou o bebê!? — Gritei. — Responde, caralho!
O inseto grunhiu baixinho, como se coçasse a garganta. As mãos trêmulas sobem e sobem, até chegarem na sua boca. Ele a cobre com uma das mão, e a outra o acaricia, como se tivesse vida própria, independente. Ele ri, uma risada abjeta e irreal, que não exprimia felicidade, nem dor, nem qualquer sentimento humano. Era um som, que me convém chamar de riso, pela semelhança auditiva. Em um borrão, num movimento cego, aperto o gatilho. O martelo cai e cria a faísca... Silêncio. Depois de tanto limpar o revolver ele falha agora, é como se a lua afetasse as armas como ela afeta as mulheres. Segurei o revolver pelo cano e tambor, com a outra mão segurei o cabelo da criatura. O barulho seco da madeira batendo no crânio dele ecoava no beco escuro. A empunhadura estava manchada de sangue, e não sei diferenciar meu sangue do dele na minha mão.
— O que 'cês tão' fazendo aí, porra? — Gritou uma voz, vinda da janela do apartamento do lado do beco.
Isso! A luz do apartamento. Eu olho para frente, e do lado de uma montanha de sacos de lixo, encontro o bebê, e o pedaço de vidro que o inseto carregava mais cedo estava fincado no seu pequeno pescoço. A luz se vai, o homem vê minha arma e o corpo no chão e se assusta. Se esconde na sua casa. Ele vai ligar para polícia, nem preciso me incomodar. Pego meu celular, mas a tela trava com o sangue e o suor, desisto. Me sento na calçada junto da mulher, embaixo da luz do poste. A poça de sangue chegou no bueiro, e meu coração ainda corre acelerado; adrenalina residual. Depois disso ainda tenho que pegar um ônibus para casa, será que eu vou encontrar o menino? Não, claro que não, ele vai para a delegacia... Espero que eu não tenha que dar a notícia para o garoto.
O barulho das sirenes fica mais e mais alto. Os carros estacionam.
— Senhor N..., você 'tá' bem? 'Tá' machucado? — Me perguntou um dos cabos.
— Não. Só não quero que o D... me coloque pra falar com o garoto.
— Que garoto?
— O garoto, porra. O filho dela. — Apontei para o corpo da mulher.
— Vou pedir 'pro' S... te levar, ok? Deixa que a gente cuida do resto.
Fui colocado na viatura e levado para a delegacia. Da janela, eu via os borrões dos carros, indo e vindo. Na minha mente falavam uma multidão, uma pluralidade de vozes, gritos e sons ininteligíveis. Uma pena, não ouvi o barulho do motor velho da viatura, o zunido dos carros que passavam por mim, me eram sons caros, me acalmavam. O carro parou de repente. Fui retirado por um colega e colocado na minha sala. Me deram água e café. Alguém bate na porta.
— Entra.
— N..., como você tá?
— Eu vou ser preso?
— Por causa do drogado? A gente já deu um jeito nisso, ninguém vai notar.
— Ótimo. E o filho da mulher?
— Já encaminhamos o garoto para o orfanato municipal. Falamos com ele, me disseram do seu pedido.
— Perfeito.
O orfanato municipal, eu já sabia, recebe a maior parte da ajuda e doações da paróquia da rua 52... Eu mereço meu destino, juro que mereço. Mas a mulher e os meninos não, não, não mereciam. E mais um dia se passa na cidade dos insetos, onde nossa sina cruel e vil se faz visível através das almas inocentes. Eternamente impotentes, pagamos um dívida infinita à ninguém, nadando nus em um mar de canivetes e facas, onde a consciência se desfaz e o desespero é cada vez mais cutâneo.
submitted by pedrothegrey to EscritoresBrasil [link] [comments]


2015.11.29 00:26 fillingtheblank Relato pessoal de certos absurdos comuns que ouço a respeito do nordeste e que não deveriam ser tão indiferentemente aceitos

Olá amigos e amigas do /Brasil
Ultimamente uma série de experiências pessoais, experimentadas mesmo por mim, se acumularam e sinto a necessidade de falar. Talvez uma reflexão ou um debate possa nascer disso. Se não, pelo menos pus para fora.
Sou nordestino. Meu pai é do interior do Rio Grande do Norte e minha mãe do interior do Maranhão. Eu nasci no Maranhão. Além do português nativo, falo três línguas fluentemente (francês, inglês, espanhol), com certificado internacional para comprovar, e tenho noções avançadas de alemão e japonês. Tenho dois diplomas universitários, sociologia e direito, sendo que o de direito foi numa faculdade internacional que está entre as 30 melhores do mundo pelo T.H.E. ranking. Todos os meus irmãos, todos os meus tio/as e todos os meus primo/as têm educação superior, pelo menos um terço dessas pessoas são bilíngues, algumas são trinlíngues, e todas são nordestinas, embora nenhum dos meus quatro avós tenha terminado a escola (uma avó ingressou num programa de educação para adultos depois de uma certa idade e concluiu a educação). Os meus avós maternos eram agricultores e os meus avós paternos eram feiristas (ou feirantes, se preferirem). Minha mãe chegou a mendigar com os irmãos na infância, embora ela não goste de falar nisso. Isso tudo para dizer não uma humble brag, pois vocês nem me conhecem, mas para estabelecer um primeiro ponto: pobre, e pobre de lascar e analfabeto, não é desprovido da noção da importância da educação. Minha vó materna quando conseguiu um pouco mais de dinheiro na vida e se mudou para a capital do estado pôs, com sacrifício, os filhos numa escola de inglês. Isso na década de 70 e vindo do interior do Maranhão. Tem até uma história engraçada na família que um empresário do interior naquela altura passou a pagar meu tio para ir lá de vez em quando apenas porque ele era o único que conseguia ler os manuais em inglês que o cara comprava para a fábrica dele (ou fazenda, não sei os detalhes dessa história direito).
. Recentemente passei um tempo na região sudeste e ouvi algumas coisas que me impressionaram. Coisas que, tenho certeza, seriam vistas com constrangimento se fossem ditas para uma minoria nos EUA mas que no Brasil é, parece, lugar-comum e não causa uma fração da indignação que deveria causar. Pelo contrário, é dito despretensiosamente e recebido ao redor banalmente. São coisas que me ferem a inteligência e tentam ferir a dignidade. Se você for um amigo do sul ou sudeste do país gostaria que não só pensasse antes de dizer algumas dessas coisas como reprimisse e rechaçasse se alguém ao seu redor dissesse. Eis aqui o relato pessoal de coisas que ouvi e vivi nessa minha passagem pelo sudeste:
. 1) "Você é maranhense/nordestino? Mas você não fala como eles."
. A primeira vez que eu ouvi isso minha reação foi de surpresa. Surpresa porque nasci e cresci no nordeste, filho de ambos pais nordestinos, com minha vasta família e amigos de lá. Não havendo, portanto, quase ninguém ao meu redor que não fosse nascido e crescido no nordeste e que eu aprendi a falar como todas as crianças, absorvendo a fala da comunidade, me surpreendeu o reflexo de pensar que eu pudesse de alguma forma não falar como o meu meio. No início a minha reação foi "Ué, e como falam lá?" seguida de uma embaraçosa tentativa de explicar ou imitar uma fala brasileira que não existe, ou lembre uma caricatura exagerada de falas muito locais, encontradas em alguns bolsões perto da costa colonial (Recife, Maceió, pedaços da Bahia) que estão mais longe de mim do que a Guiana inglesa. Mas aí uma outra pergunta importante se seguia, da minha parte: "Você já foi ao Maranhão?". Resposta em 99% das vezes: "Não." "Mas você tem amigos de lá?" "Não." Então como você sabe como falam as pessoas de lá?
Se eu tivesse ouvido essa expressão uma vez na vida e outra na morte, vá lá, ainda passava como ingenuidade. Mas é algo que ouço com frequência. Já teve uma ocasião que o cara me disse que ele se baseava pelos nordestinos nas novelas. Porto dos Milagres, Auto da Compadecida, Cor do Pecado, Gabriela e assim por diante. Só esqueceu de considerar totalmente que o Marco Palmeira, a Flávia Alessandra, o Selton Mello, a Taís Araújo, a Juliana Paes, o Reynaldo Gianechini, a Maitê Proença são todos do sudeste, e quase todos especificamente do Rio de Janeiro (thanks, Globo). E sim, as esteriotipizações por eles feitas são cringey.
. 2) "Você não tem traços nordestinos/maranhenses."
. Essa é foda. Basicamente, a mesma série de perguntas acima sobre a fala podem e são repetidas aqui. A diferença é que por algumas vezes eu tive a resposta que o fulano ou fulana conhecia maranhenses pelos cortadores de cana ou funcionários de alguma fazenda do interior paulista. Cara, no fundo a pergunta é a seguinte: brasileiro tem uma cara? Carioca tem uma cara? Nordestino tem tanto uma cara quanto cariocas têm uma cara. Essa pergunta é bem "racistinha" (o único racismo que existe no Brasil é o racismozinho, segundo a narrativa autorepetida). o País é muitl-racial de norte a sul embora lógico certas zonas específicas vão ter uma presença maior de uma raça do que outra, mas não há nenhuma zona monolítica. "Iguais" a mim eu conheço milhões; diferentes de mim eu conheço outros tantos milhões.
. 3) "Você fala tão bem para alguém de lá."
. Ai cara, por onde começar... Deveria ser óbvio para qualquer ser com dois neurônios que isso não é algo aceitável de se dizer, mas a experiência me mostra que no nosso país não é o caso. Vamos pensar: o que essa frase implicitamente carrega? O que essa expressão presume? Assume que de acordo com o locutor nordestinos não são seres humanos com a mesma capacidade de falar "direito" ou "tão bem quanto" o resto do Brasil. Precisa explicar por que esse negócio é um absurdo? Por vezes essa frase vem com uma variante. Eu ouvi da boca de uma professora de inglês de uma das escolas mais caras da maior cidade do Brasil que "Meu inglês e minha pronúncia eras muito bons para um nordestino". Ela realmente acha que o sotaque dela e da região dela é que era a pica da galáxia (spoiler alert: não era), como se tivesse uma qualquer naturalidade sonora quando ia na língua de Shakespeare (não tem). De vez em quando aparece um cidadão que me diz que os maranhenses têm o melhor português do Brasil. Falso, e igualmente um preconceito, e eu sempre desalimento. Mas da mesma maneira que combate-se um tem de se combater o outro. Enfim, se eu falo bem ou não, certamente isso tem a ver comigo e não com minha geografia de nascimento. O nordeste tem a mesma qualidade de educação e cultura que o resto do Brasil. O Piauí aparece com frequência no topo de listas com melhores escolas públicas. Não é por aí. E o nosso cérebro é o mesmo, nós somos a mesma espécie (estou dizendo isso em 2015). Minha capacidade de aprender a falar, inclusive em outras línguas, é a mesma da sua e de todo mundo.
. 4) "Lá no Maranhão tem [inserir qualquer coisa básica que tem em qualquer lugar do mundo]?"
. Bicho, não tem nada que tenha aqui que não tenha lá. Certa vez, em uma conversa sobre tecnologia brasileira, eu mencionei a base espacial de Alcântara, no Maranhão, um lugar top e o coração da agência espacial brasileira, e o sujeito - que eu duvido que sabia que isso existia - reagiu assim: "Ha, deve ser do tamanho de uma cozinha". Que engraçado. E sim, isso é um comentário bastante cretino. Sem falar que não é um insulto ao estado, é um insulto ao país. Não sei se ele entende porqué. Ademais, para voltar ao espírito da pergunta, não, eu não vou para a escola ou trabalho de barco nem de cavalo. Eu pego o carro, ligo a rádio ou o smartphone para ver como tá o tránsito e vou pelas avenidas ou de metrô. Certa vez uma pessoa comentou, seríssima, que eu devia ter saudades de andar de cavalo pela praia agora que eu vivia "numa selva de concreto". Cara.... Pessoa.... eu nunca andei de cavalo a não ser em festa de rodeio no interior de São Paulo, eu quase não ia à praia (quando ia, pasmem, ia de carro) e as cidades nordestinas são "selvas de concreto" também. Aliás, infelizmente, podiam ter um pouco mais de espaços verdes como tem São Paulo e Rio. Hoje em dia, eu acho, em cidades como São Paulo e Curitiba há um debate importante sobre qualidade do espaço urbano, qualidade de vida e verde acima do puro desenvolvimentismo, enquanto que no nordeste a mentalidade é quase puramente desenvolvimentista. O negócio nas cidades nordestinas é ter 100 megashoppings com redes de viadutos interconectando todos e condomínios-bairros privados, essa criatura saída do inferno, completos na orla da praia. Quem me dera tivéssemos mais espaços verdes, natureza e praças como no sul e sudeste.
. 5) “Isso é tão baiano.”
. Ou, no caso dos amigos cariocas, tão paraíba. Olha, essa deveria ser fácil de entender. Quando um insulto é literalmente a origem de alguém tem algum problema com o insultador. Eu nunca ouvi na vida um nordestino dizer que algo era muito carioca ou muito paulista como denegrimento, inclusive se estivesse falando de algo tipicamente carioca ou paulista. Uma vez um cara disse para mim “Que óculos baiano, cara”. Não importa que nível de intimidade você acha que tenha com alguém. Na pior das hipóteses, se isso for permissível, diga que achou meus óculos feio, mas essa de usar baiano como insulto é de lascar. E eu não sou da Bahia nem tenho família lá (infelizmente, pois se pudesse morava lá, visto ser o lugar e o povo que mais gosto no Brasil). Ou tãopouco da Paraíba.
. 6) Insultos aos nordestinos numa tentativa de relacioná-los com agendas políticas manipuladas.
. Num jantar recente em São Paulo ouvi uma pessoa dizer uma verdadeira pérola de frase. Que “as pessoas ‘daquela região’ votam como votam porque não são tão bem informadas quanto a gente”. Não, filha, não é por isso. É por uma série de motivos complexos e pessoais que pessoas votam diferente umas das outras,e nenhuma região aliás vota em uníssono. Esse comentário é de um simplismo e de uma babaquice, sem falar também de uma senhora pretensão e complexo de inteligência e informação maior do que a dos outros… Como se cada população não tivesse também meios de informação e pudesse pensar por si. Uma certa camada da população está convencida de que o PT só existe “because Nordeste”. Nas últimas eleições quem tem olhos viu a baixaria que foi contra nordestinos na internet e em outras situações. Em especial, que é o Bolsa-Família que define o voto nordestino. Eita eu queria viver nesse mundo dessa galera, onde tudo é simples, quadrado e preto-e-branco. Um pouco de realidade: o 2º estado do país inteiro com mais beneficiários do bolsa-família é………… São Paulo. E o 4º estado com mais beneficiários do programa é….. Minas. O 3º estado com mais beneficiados é Pernambuco, mas… Aécio Neves perdeu para Dilma em Minas, sua terra natal. Dilma e o PT perderam em Pernambuco (Marina levou). Aécio perdeu também no Rio de Janeiro. O candidato a governador que a Dilma, o Lula e o PT apoiaram no Maranhão perdeu para o candidato da chapa formada pelo PSDB. No Pará também aconteceu exatamente a mesma coisa (sim, não é nordeste, mas é com frequéncia acusado de ser curral eleitoral do PT). Dilma venceu no Rio Grande do Sul. Mas perdeu em três estados da região norte, uma das regiões mais beneficiadas pelo bolsa família, percentualmente, no país. O Maranhão é o estado com a maior proporção percentual de cadastrados no país, e é um sétimo da população. Seria ingênuo crer que o eleitorado está prestando qualquer fidelidade ao PT, tendo-os inclusive rechaçado do governo estadual (e com 65% dos votos, um recorde nacional, pelo candidato da oposição). Posso garantir que há mais militantes do PT no sul do país que no Maranhão. O MST nasceu no Rio Grande do Sul, vale lembrar. Mas isso não digo nem contra o PT, pois discutir política não é o intuito desse post, nem contra o Rio Grande do Sul, estado pelo qual não nutro nada de mal (pelo contrário). Até porque não sou desses hipócritas que existem por aí aos montes (e nesse sub também) que denunciam um comportamento contra seu grupo para fazer o mesmo contra outro grupo; os “anti-preconceitos” seletivos. Nem contra São Paulo nem contra o sudeste este post é. Quero mais é que os povos dessas regiões sejam felizes e prósperos. O que escrevo é, isso sim, contra um comportamento e contra uma mentalidade. É contra uma visão de mundo preto e branca, cheia de simplismos grosseiros e de preconceitos não inocentes. Uma que todos nós deveríamos denunciar. Enfim, o brasileiro vota mal em todo o país. O nordeste não vota “pior” nem mais “mal informado” que o sudeste. Até ontem São Paulo elegia Maluf e Pitta para cargos executivos. Eu até acho que dadas as circunstâncias presentes o nordeste talvez vote um pouco melhor porque no Rio o Gabeira perdeu para o Cabral e em São Paulo não tem crise administrativa nem escândalo político que abale a reeleição do governo estadual; enquanto que no nordeste, onde toda a mídia é controlada por famílias de coronéis, ainda assim o Maranhão tirou os Sarney do poder; a Bahia tirou os Magalhães do poder e Collor perdeu para o governo de Alagoas (que em 89 foi eleito com 60% dos votos em São Paulo). Lembremos disso também. Quase todos os estados do nordeste tiveram mais rotação partidária que os estados do sudeste. No Natal passado, logo após a brigaria das eleições, nos meus grupos de whatsapp com amigos e familiares do Maranhão eu recebi algumas vezes uma dessas imagens-mensagens passadas e repassadas em que a figura dizia “Sabe o que eu tenho vontade de dizer para esse pessoal que insulta o nordeste e que agora vem passar ano novo aqui nas nossas praias!?! … Sejam bem-vindos, esperemos que desfrutem da estadia e queiram voltar.” Essa é uma mentalidade que aprovo. A gente passa rápido notícia ruim mas eis aí brasileiros repassando uma coisa boa, madura.
. Enfim, esse texto já está muito grande. Se alguém chegou até o fim a moral da história é: deixem de preconceitos, o mundo é mais complexo. Larguem e não permitam esse “racismozinho” tipicamente brasileiro. Caguem na cara dos regionalismos. Cada lugar tem pessoas boas e más, inteligentes e burras, mas nenhuma tem números percentuais muito diferentes dos mesmos e a realidade é bem mais complexa que qualquer situação. Aliás, não são só “gente do sudeste” que faz essa merda com “gente do nordeste”. Como alguém que já viajou à Bolívia e a países na África e que sabe o quanto esses países tem desenvolvimento, inteligência, estrutura, lazer, e tudo o que tem no nosso eu fico impressionado com a quantidade de merda e “racismozinho” que eu ouço meus conterrâneos falarem desses povos.
TL;DR: abaixo o “racismozinho” tão aceitável no Brasil. Regionalismo (quando não é apenas piada inocente) é preconceito forte e ignorante, embora largamente aceito no Brasil.
submitted by fillingtheblank to brasil [link] [comments]